Página inicial > Modernidade > Schopenhauer, Arthur (1788-1860) > Schopenhauer (MVR2:90-92) – intuição - abstração - regras

O Mundo como Vontade e como Representação Tomo I

Schopenhauer (MVR2:90-92) – intuição - abstração - regras

Livro I §9

terça-feira 14 de setembro de 2021, por Cardoso de Castro

    

[SCHOPENHAUER  , Arthur. O mundo como vontade e como representação. Primeiro Tomo. Tr. Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2005, p. 90-92]

    

Na prática, o conhecimento intuitivo do entendimento consegue guiar   imediatamente a nossa conduta e o nosso comportamento  , enquanto o conhecimento abstrato da razão   só o pode fazer pela intermediação da memória. Daí nasce a vantagem   do conhecimento intuitivo em todos os casos que não permitem tempo algum para ponderação, logo, nas relações diárias, nas quais as mulheres sobressaem-se precisamente por isso. Apenas quem conheceu intuitivamente a essência   dos seres humanos, como via de regra   eles são, e justamente assim apreende a individualidade de quem lhe é atualmente presente  , saberá tratá-lo com segurança e de maneira correta. Alguém pode ter em mente   todas as trezentas regras de prudência   de Gracián; porém, isto não o protegerá de estupidezes e equívocos, se lhe falta aquele conhecimento intuitivo. Pois todo CONHECIMENTO ABSTRATO dá antes de tudo simples princípios e regras gerais; porém, o caso isolado quase nunca é recortado exatamente segundo a regra: ademais, esta deve ser primeiro trazida à memória no tempo certo; o que raras vezes ocorre pontualmente: em seguida, a partir do caso presente, deve ser formada a propositio minor e, por fim, a conclusão. Antes que tudo isso ocorra, a ocasião nos dá as costas na maioria das vezes, e então aqueles excelentes princípios e regras servem no máximo para avaliarmos depois a grandeza   do erro   cometido. Decerto que, através disso e com o tempo, a experiência e o exercício, vai crescendo lentamente a sabedoria   de mundo; assim, em conexão com esta, as regras in abstracto podem sem dúvida tornar-se frutíferas. Ao contrário, o CONHECIMENTO INTUITIVO, que sempre apreende apenas o singular, está em relação imediata com o caso presente: regra, caso e aplicação são idênticos para ele, e a isso se segue imediatamente a ação. Daí explica-se por que o erudito, cujo mérito reside no reino dos conhecimentos abstratos, posta-se na vida real tão atrás do homem   do mundo, cujo mérito consiste no perfeito conhecimento intuitivo, que uma disposição   originária lhe concedeu e uma rica experiência desenvolveu. Entre os dois   modos   de conhecimento sempre mostra-se a relação entre o papel-moeda e o seu lastro: ora, assim como em muitos casos e negócios aquele é preferível a este, também há coisas e situações nas quais o conhecimento abstrato é mais útil que o intuitivo. A saber, se é um conceito que em determinada ocasião conduz a nossa ação; então ele tem a vantagem, uma vez apreendido, de permanecer inalterável; assim, sob sua condução  , vamos à obra com plena segurança e firmeza. Contudo, essa segurança proporcionada do lado subjetivo pelo conceito é contrabalançada do lado objetivo pela insegurança que o acompanha: vale dizer, o conceito inteiro pode ser falso e sem fundamento, ou o objeto a ser tratado não está nele subsumido, visto que não é no todo ou em parte da sua classe. Nesse sentido, se num caso particular subitamente percebemos algo assim, então nos desconcertamos: se não percebemos, as consequências nos ensinarão. Por isso diz Vauvenargue: Personne n’est sujet à plus defautes, que ceux qui n’agissent que par réflexion. [1] — Ao contrário, se aquilo que conduz de imediato o nosso agir é a intuição do objeto que tratamos e as suas relações, então vacilamos facilmente a cada passo: pois a intuição é sempre modificável, é ambígua, tem inesgotáveis particularidades em si, e mostra muitos lados um após o outro: agimos, por conseguinte, sem plena confiança  . No entanto, essa insegurança subjetiva é compensada pela segurança objetiva: pois aqui não há conceito algum entre o objeto e nós, não perdemos este de vista: por conseguinte, se apenas vemos corretamente o que temos diante de nós e o que fazemos, encontraremos o que é correto. Portanto, perfeitamente segura é a nossa ação apenas quando é conduzida por um conceito cujo fundamento correto, plenitude   e aplicabilidade ao caso presente são integralmente certos. A conduta que segue conceitos pode transformar-se em pedantismo, e a que segue a impressão   intuitiva, em frivolidade.


Ver online : O Mundo como Vontade e como Representação Tomo I


[1“Ninguém está mais sujeito a erros do que quem age apenas segundo a reflexão.” (N. T.)