Página inicial > Modernidade > Schopenhauer, Arthur (1788-1860) > Schopenhauer (MVR1:404-405) – a dor essencial à vida

O Mundo como Vontade e como Representação Tomo I

Schopenhauer (MVR1:404-405) – a dor essencial à vida

Livro IV, §57

terça-feira 14 de setembro de 2021, por Cardoso de Castro

    

[Excerto   de SCHOPENHAUER  , Arthur. O mundo como vontade e como representação. Primeiro Tomo. Tr. Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2005, p. 404-405]

    

Portanto, entre querer e alcançar, flui sem cessar toda vida humana. O desejo, por sua própria natureza, é dor  ; já a satisfação logo provoca saciedade: o fim fora apenas aparente: a posse elimina a excitação, porém o desejo, a necessidade   aparece em nova figura; quando não, segue-se o langor, o vazio  , o tédio, contra os quais a luta   é tão atormentadora quanto contra a necessidade. — Quando desejo e satisfação se alternam em intervalos não muito curtos nem muito longos, o sofrimento   ocasionado por eles é diminuído ao mais baixo grau, fazendo o decurso de vida o mais feliz possível. Aquilo que se poderia nomear o lado mais belo e a pura alegria   da vida, precisamente porque nos arranca da existência real   e nos transforma em espectadores desinteressados diante dela, é o puro conhecimento que permanece alheio a todo querer; é a fruição do belo, a alegria autêntica na arte. Mas mesmo isso requer dispositivos raros e cabe apenas a pouquíssimo e, mesmo para estes, é um sonho   passageiro. Ademais, justamente as elevadas faculdades espirituais desses poucos os tornam suscetíveis a sofrimentos bem maiores que aqueles que os obtusos jamais podem sentir, e os coloca, dessa forma, solitários entre seres marcadamente diferentes, pelo que, ao fim, as coisas se equilibram. Todavia, para a maioria dos homens as fruições intelectuais são inacessíveis. Eles são quase incapazes de alegria no puro conhecimento: estão completamente   entregues ao querer. Se, portanto, algo lhes granjeia a simpatia e deve ser INTERESSANTE (o que já se encontra na significação da palavra  ), tem de algum modo de lhes estimular a VONTADE, mesmo que só numa relação   distante, situada só nos limites da possibilidade. Vontade que jamais pode ficar Fora de jogo  , porque a existência desses homens está mais no querer do que no [404] conhecer: ação e reação são seu único elemento  . Exteriorizações ingênuas [I 371] dessa índole podem ser vistas em minudências cotidianas, como, por exemplo, escrever   seus nomes em lugares conhecidos que visitam, com o fito de reagir, fazer efeito sobre o lugar, pois este não faz efeito sobre eles. Também não podem com facilidade considerar um animal   exótico, raro, mas têm de excitá-lo, cutucá-lo, provocá-lo com brincadeiras, para simplesmente experimentar ação e reação. Essa necessidade de estimulação volitiva se mostra em especial na invenção e prática dos jogos de carta, que, no sentido mais próprio   do termo, são a expressão   do lado deplorável da humanidade.

Contudo, não importa o que a natureza ou a sorte tenham feito, não importa aquilo que alguém é ou aquilo que alguém tem: a dor   essencial à vida nunca se deixa eliminar:

Πηλειδης δ’ ῳμωξεν, ιδων εις ουρανον ευρυν.

(Belides autem ejulavit; intuitus in coelum latum.) [1]

E de novo:

Ζηνος μεν παις ηα Κρονιονος, αυταρ οιζυν
Ειχον απειρεσιην.

(Jovis quidem filius eram Saturnii; verum aerumnam
Habebam infinitam.) [2]


Ver online : O Mundo como Vontade e como Representação Tomo I


[1“Para o céu vasto virando-se, geme o filho de Peleu.” (N. T.)

[2“Fui filho de Zeus, de Cronos, entretanto sofria indizíveis aflições.” (N. T.)