Página inicial > Palavras-chave > Termos > chrysos / χρυσός / o ouro / the gold / l’or

chrysos / χρυσός / o ouro / the gold / l’or

    

Mario Satz

Para os chineses, o ideograma Kin, que simboliza o ouro, representa também o perfeito. Na Índia, é clássica a ideia de que o precioso metal encarna a luz  , é a luz em forma mineral. Em certas outras culturas como, por exemplo, a egípcia, a carne   dos deuses era de ouro. Os ícones bizantinos e russos, assim como os retábulos e altares barrocos, eram plenos de ouro posto que plenos de luminosa fé. Para os alquimistas, que buscavam transmutar os metais não-nobres em ouro, através do amadurecimento consciente, o objetivo final era o estado   crítico, a conquista da suprema homologia solar: aquela do Logos   Radiante e Criador. Para os brâmanes  , o ouro é a “imortalidade  ”, enquanto que, para Angelus Silesius  , a conversão de chumbo em ouro equivale á transformação   do homem   em Deus   pelo próprio Deus. [O TESOURO   INTERIOR]

René Guénon

[...] ouro não é uma figura de retórica, é uma figura de pensamento  . O ouro é (não podemos dizer significa) luz, vida, imortalidade (vários trechos do Satapatha Brahmana  , e tradicionalmente); e refinar este ouro é separar queimando do nosso Eu espiritual a escória de tudo que não é o Eu  . Por isso o cordel com o qual o polichinelo humano é manipulado é feito de ouro (Platão, (Leis 644); e Blake nos dá um fio «de ouro» que «nos levará às portas do céu».


El nombre Hiranyagarbha tiene un sentido muy próximo al de Taijasa  , ya que el oro, según la doctrina hindú, es la «luz mineral»; los alquimistas le consideraban también como correspondiendo analógicamente, entre los metales, al sol entre los planetas; y es al menos curioso notar que el nombre mismo del oro ( aurum ) es idéntico a la palabra hebrea aôr, que significa «Luz». [ESTADO DE SONO]

Julius Evola

Uma ideia central da Arte Régia é que o hermetista realiza determinadas operações, mediante as quais atualiza (põe em ato) e leva à perfeição uma «matéria» simbólica que a Natureza deixou imperfeita e em potência; e, sem a ajuda   da Arte, o hermetista não conseguiria tal proeza. Esta ideia central refere-se a tudo aquilo que o homem comum acha ser de aqui de baixo, mas também se refere à dignidade  , «desconhecida pelas raças anteriores», de que já falamos e cuja relação com o espírito   específico dos «ciclos heroicos» já mencionamos também.

No respeitante ao primeiro ponto, podemos citar, entre outros, o De Pharmaco Catholico: «A natureza detém-se e suspende o trabalho   no Ouro (no sentido de «Ouro vulgar  », interpretável como aquele estado segundo o qual a força solar se encontra no homem comum)... Termo supremo de todos os metais (de todas as demais naturezas diferenciadas da «matriz»), acima e além do qual a própria natureza por si só não pode formar mais nenhum metal». Mas «os homens podem ajudar a natureza e obrigá-la a realizar um esforço superior ao realizado para as suas produções ordinárias», alcançando o fim, aquilo a que Geber chama «o limite extremo», a «coisa difícil», «a mais distante que o homem possa desejar». Os alquimistas estabelecem assim a distinção entre aquele Ouro, que é uma produção natural, e o outro Ouro que se produz mediante a Arte e que recebe o signo   e a marca   dos «Mestres do Poder». Por isso, Filaleuto diz alegoricamente que se o Mercúrio   se encontra nos vendedores, o Sol   ou Ouro é «uma consequência do nosso trabalho e da nossa operação», e quem não sabe isto, não «conhece ainda o objetivo da nossa obra secreta». Como sublinhamos no princípio, a Arte hermética não tem por finalidade descobrir o Ouro, mas fabricá-lo. [TRADIÇÃO HERMÉTICA]

Séverin Batfroi

Esta coisa única nada mais é que o Verbo de Deus, que deve se encarnar a fim de que sejam feitos os milagres divinos no seio da humanidade. Seria no entanto bom que se visualizasse o simbolismo solar sob o aspecto sagrado  , pois pode se traduzir também ao plano profano. O ouro vulgar não é a manifestação   mais sublime do Espírito no domínio   mineral, quer dizer que o valor que lhe confere a realeza metálica não está senão bem distanciada da canonicidade do ouro filosófico. O primeiro nada mais é que uma forma profana do segundo, como o Rei, personagem solar por excelência, não é senão o Tenente" do Cristo  , única e verdadeira Encarnação do Ouro astral. [ALQUIMIA   E REVELAÇÃO CRISTÃ