Página inicial > Palavras-chave > Termos > mneme / μνήμη / μνάομαι / mnaomai / μιμνήσκω / mimnesko / Μνημοσύνη / anamnesis / (...)

mneme / μνήμη / μνάομαι / mnaomai / μιμνήσκω / mimnesko / Μνημοσύνη / anamnesis / anámnêsis / anámnēsis / ἀνάμνησις / μιμνήσκω / mimnesko / ἀναμιμνήσκω / anamimnesko / μένος / ménos / mens / μνῆμα / mnema / memorial

      

mneme

gr. μνήμη, mnéme (he): memória. É a faculdade de aprender (Aristóteles  , Met., A, 1). Sinônimo: Μνημοσύνη, mnemosyne.

anamnesis

gr. ἀνάμνησις, anámnêsis: memória, recordação, lembrança, re-visão; anámnesis (he): reminiscência, anamnese. Num famoso trecho do Mênon (82a-86c), Sócrates  , interrogando habilmente um jovem escravo   ignorante, consegue fazê-lo chegar ao princípio pitagórico da duplicação do quadrado. Conclui daí que "a verdade existe desde sempre em nossa alma  " (86b). Finalmente, "todo saber é reminiscência" (81d); no Fédon (72e-78a), isso possibilita um argumento   a favor da imortalidade   da alma. Teoria   adotada por Plotino   (IV, 111,25: V, IX, 5). [Gobry  ]


Anamimneskesthai é melhor traduzido como ser lembrado e lembrar a si mesmo  , em vez da tradução convencional ’relembrar’, porque isso explica não apenas a forma média e passiva do verbo, mas também Platão   e Aristóteles concordando (Platão Fédon 73C-75C; Aristóteles Sobre a Memória, cap. 2) que a anamnese envolve uma associação de ideias. É distinto da memória, embora seja um uso da memória. Aristóteles diz que a memória, mesmo de objetos de pensamento  , é uma função da faculdade perceptiva, envolvendo imagens, On Memory 1, 450al2-25. Mas a anamnese, vista como uma busca deliberada por associação de ideias, é muito parecida com o raciocínio para pertencer a animais   não racionais, On Memory 2, 453a4-14.

A anamnese deve sua importância principal à afirmação de Platão de que, mesmo quando nós, como bebês, vemos ou ouvimos, somos lembrados de universais   como a igualdade, que não nos foram dados na experiência e devem ter sido conhecidos por nossas almas antes de nascermos, Fédon 75B-C. Platão já esboça a teoria no Mênon. Isso foi tomado pelos comentaristas como um relato de como temos conceitos universais. Tipos de anamnese e objeções à teoria são discutidos por Damascius  . Agostinho, embora a princípio fortemente atraído pela teoria, a nega em suas Retratações.

A lembrança é reconhecida por Plotino. Mas é necessária apenas para a alma inferior  , não para a alma não caída que está ininterruptamente pensando nas Formas. [SorabjiPC1  :172]