Página inicial > Glossário > consciência

consciência

domingo 17 de outubro de 2021

O grego oida e o latim scio significam "eu sei". O verbo grego pode ser composto pelo prefixo syn ou xyn (synoida), o latim cum que na composição se torna con-, dando-nos conscio. Syn e cum isoladamente significam ’com’. E, às vezes, eles retêm esse significado quando se tornam prefixos, para que synoida e conscio possam significar ’eu conheço, compartilho (com alguém) o conhecimento que’. Mas às vezes eles tinham uma força vagamente intensiva, de modo que os verbos compostos significariam apenas ’eu sei bem’ e, talvez, finalmente, pouco mais do que ’eu sei’. Cada verbo possui um conjunto de palavras relacionadas. Com synoida vai o substantivo syneidesis e (seu sinônimo) o particípio neutro para syneidos, e o particípio masculino syneidôs; com conscio, o substantivo conscientia e o adjetivo conscius. Veremos imediatamente que o duplo valor dos prefixos pode afetar todos esses aspectos, de modo que a syneidesis e a conscientia podem ser o estado (ou ato) de compartilhar conhecimento ou simplesmente conhecimento, consciência, apreensão - mesmo algo como mente ou pensamento .

Nossa palavra, portanto, tem dois ramos de significado; o que usa o sentido completo (’juntos’) do prefixo e o qual o prefixo é - ou pode ser tratado para nosso propósito como sendo - quase inoperante. Por conveniência, chamemos-lhes o ramo conjunto e o ramo enfraquecido. [LEWIS  , C. S.. STUDIES IN WORDS. Cambridge: Cambridge University Press, 1960, p. 181]


Recordemos a definição cudworthiana, em R. Cudworth, True Intellectual System of the Univers: The First Part; Wherein, All The Reason and Philosophy of Atheism is Confuted; and Its Impossibility Demonstrated, p. 159: a consciência é “that which makes a Being to be Present with it seif, Attentive to its own Actions, or Animadversive of them, to perceive it self to Do or Suffer, and to have a Fruition or Enjoyment of it self”. Como lembra E. Balibar (John Locke  . Identité et différence..., p. 59), Cudworth cria consciousness a partir do adjetivo conscious (correspondente ao latim conscius), e “esse é de fato o equivalente de ‘ Con-sense’, que ele refere aos termos gregos synaisthesis e synesis, encontrados em Aristóteles   e Plotino  ”, forjando por essa mesma via uma etimologia fictícia (“pois os latinos jamais consideraram como uma ‘tradução’ de tais termos a palavra conscientia, que eles reportavam antes aos termos estoicos e cristãos syneidos e syneidêsis”). Sobre a relação Locke  -Cudworth, ver É. Balibar, op. cit., pp. 62-63. Sobre a teoria cudworthiana, cf. Thiel, “Cudworth and a Seventeenth-century Theories of Consciousness”, em S. Gaukroger (org.), The Uses of Antiquity, pp. 79-99. [LiberaAS  :123]
LÉXICO: CONSCIÊNCIA; conscientia; consciencialismo