Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > Gusdorf

Gusdorf

GEORGES GUSDORF (1912-2000)

WIKIPEDIA

OBRA NA INTERNET CLASSIQUES DES SCIENCES SOCIALES


Gostaria de registrar a paciente, erudita e monumental história dos saberes no Ocidente moderno, ainda em fase de conclusão, do Prof. Gusdorf. O título geral de sua obra é LES SCIENCES HUMAINES ET LA PENSÉE OCCIDENTALE. Quinze grandes volumes já foram publicados pela Payot, perfazendo mais de 6.000 páginas. Infelizmente, poucos se dão ao trabalho de conhecer essa obra, escrita por alguém profundamente familiarizado com a literatura europeia, e que propõe uma espécie de verdadeira antropologia cultural vindo completar, de modo muito oportuno, as várias histórias das ciências e das ideias já existentes. Esta vasta obra pode ser considerada como uma espécie de "discurso do método" para elucidar a unidade do saber em seu processo histórico de realização. Trata-se de uma história que, centrada nas ciências humanas, converte-se na história da descoberta, da "humanidade do homem". Não se limita a relatar os fatos. Pelo contrário, define as atitudes mentais e os modelos de inteligibilidade de cada época da cultura. Por ser uma história compreensiva do saber, vê em todo o conhecimento a expressão de uma presença no mundo e de um estilo de vida. E o grande eixo balizando a "consciência ocidental" pode ser encontrado na constante renovação das mentalidades, cada uma atestando uma forma de sensibilidade intelectual. Outro grande mérito dessa obra está em postular a restauração da história das ciências como uma das principais disciplinas na formação dos cientistas. Todavia, por não interpretar os saberes passados à luz da ciência moderna, ou seja, por não estudar a ciência moderna em seu passado, diria que Gusdorf não faz uma história epistemológica. Mesmo que possamos discordar dessa obra, sobretudo por não levar em conta uma perspectiva crítica e não tematizar os conceitos, nem por isso vamos encontrar nela verdades definitivas sobre um movimento de extraordinária riqueza, mas uma ocasião de meditarmos sobre questões filosóficas e sócio-culturais cujo interesse permanece bastante atual. [Hilton Japiassu]