Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > CorbinPM / Paradoxo do Monoteísmo

CorbinPM / Paradoxo do Monoteísmo

      

CORBIN  , Henry. Le paradoxe du monothéisme. Paris: Éditions de l’Herne, 1981. (italiano)


O Judaísmo, o Cristianismo e o Islame formam os três ramos do que se conveniou chamar o Monoteísmo originário da revelação feita a Abraão.

Trata-se da fé revelada em um Deus   único, incognoscível pelas vias da percepção e da razão, e transcendente. Esta religião monoteísta tem traços específicos apesar das diferenças consideráveis dos três ramos que a compõem. Henry Corbin nos mostra de pronto como, além das fronteiras impostas pela religião oficial, os espirituais do judaísmo, do cristianismo e do islame produziram uma visão homogênea e monumentos teológicos próximos uns dos outros.

Mas eis aqui o mais importante: a religião monoteísta se impôs face   ao politeísmo grego e latino pretendendo acabar com a idolatria pagã: recusa-se com efeito que Deus possa se assimilar a qualquer criatura deste mundo, e se revela somente pelos livros santos, seus profetas (e segundo o cristianismo por seu filho  ). Eis que dois   destino paradoxais recriaram, no seio do monoteísmo, a idolatria que pretendia arruinar.

Por um lado o dogma   da Encarnação autorizou a inscrição de Deus na História: chegou no cristianismo à divinização da História. É assim que nasceram na época moderna, pela laicização da teologia, os filósofos da História que idolatram o devir das sociedades humanas e legitimam suas constrições.

Por outro lado, o Deus único é compreendido como a totalidade   do que é. Também, cada criatura é chamada a se submeter a sua lei e a obedecer a seus representantes. Assim a religião se transforma em política totalitária.

Neste livro, Corbin opõe a essa via as lições das gnoses islâmicas, judaicas e cristãs. Mostra que a partir da revelação duas vias se abrem: uma é aquela das religiões oficiais, legalitárias onde o fenômeno   Igreja   e suas servitudes mediam a voz do Deus oculto, a outra e aquela da religião da Beleza, das Gnoses onde Deus torna única cada criatura, funda sua individualidade.

Para tratar deste tema, o Monoteísmo, com todas as suas profundas implicações, Henry Corbin desejou reunir   em um só volume   três de seus estudos apresentados em diferentes ocasiões.

  • O paradoxo do monoteísmo foi escrito para uma Sessão Eranos de 1976, cujo tema era o Uno   e o múltiplo.
  • Necessidade   da angelologia foi uma comunicação pronunciada no Colóquio organizado pela Universidade de Tours (maio de 1977) sobre o tema: o Anjo   e o Homem   (v. Cadernos do Hermetismo).
  • Da teologia apofática como antídoto do niilismo foi pronunciado em Teerã (outubro de 1977), quando do Colóquio internacional organizado pelo Centro   iraniano para o estudo das civilizações sobre o tema: O impacto do pensamento   ocidental torna possível um diálogo   real entre as civilizações?.