Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > Hesíodo / Teogonia

Hesíodo / Teogonia

HESIODOS (c. 750-650 aC)

Na Teogonia de Hesíodo, pelo menos quanto aos primeiros dinastes, nascem deuses da despotenciação de outros, despotenciação que equivaleria à morte se, entre os Gregos, «deuses» e «imortais» não fossem sinônimos. Mas inverossímil é que Hesíodo não se apercebesse da grande verdade que se atribui a algumas palavras de Xenófanes, que no decorrer da sua luta contra o antropomorfismo teria asseverado que tão ímpios são os que dizem que os deuses morrem quanto os que dizem que teriam nascido. De modo que muito estranho parece que o poeta que justamente se orgulha do dom de distinguir a verdade da falsidade — isso é o que implicado está nas palavras das Musas do Helicon: «sabemos dizer muitas mentiras, mas, querendo-o, também sabemos enunciar [só] as verdades» (Th., 26-27) — não tivesse alegorizado a nascida de suas divindades. Pelo menos, vê-se bem uma «razão» plausível: o uso das genealogias para ordenar o que parecia insubmisso a qualquer esforço de ordenação: a imensa turba dos deuses que uns a outros não cediam o passo, no que respeitava a reivindicações e prerrogativas. O expediente genealógico pressupunha enlaces entre deuses e deusas, entre deuses e mulheres mortais, entre deusas e homens. Assim teriam de nascer deuses e heróis. Aliás, Hesíodo só generalizou em demasia. Desde o neolítico mediterrâneo (que, nem seria preciso dizê-lo, Hesíodo não conhecia), bem se sabe da fecundidade irreprimível da Magna Mater. Mas a Deusa-Mãe só dava à luz deuses que morriam. Não é daqui, portanto, que nasceu a codificação genealógica, não sei de que mistério. É possível que não haja mistério nenhum, mas só o engenhoso processo que Paula Philipson descobriu: «genos seria o modo como primordialmente vivemos, em uma unidade sensível, as relações entre passado, presente e futuro». Além disso, a genealogia é forma de explicar a essência de uma divindade: o que o pai é, revela-se no que são seus filhos e os filhos de seus filhos. Quereria Hesíodo efetivamente dizer que os deuses nasciam? Acreditaria ele no que disse na letra de seu poema teogônico? Por outro lado, bem sabia o poeta que deuses morriam. Se de morte fosse o poema, não nos enrodilharíamos em [74] problemas insolúveis. Mas temos de nos resignar. Não podemos nem devemos pôr na mente de Hesíodo pensamento que não foi o dele. Deuses nascem! [EudoroMito:74-75]