Página inicial > Glossário > suposição

suposição

domingo 17 de outubro de 2021

Ao que nos parece, há certo paralelismo entre a tese? empirista da forma?ção do saber por abstração e os célebres métodos de investigação experimental? apresentados por Stuart Mill. Na doutrina da formação do saber por abstração (a geralmente adotada) trata-se de isolar?, num agregado? de «ideias?» que é dado? ao espírito?, uma certa ideia? que se de aí abstrai; e nos métodos experimentais, tais como Mill os expôs, tratar-se-ia, outrossim, tão-só de isolar, num agregado de antecedentes também dado ao espírito, o antecedente? que é de fato? o causal? do fenômeno. Ora, quando o antecedente causal do fenômeno figura? no conjunto dos antecedentes dados (dos antecedentes sens?íveis), o comum? da humanidade? muito facilmente o aponta, sem aí precisar da intervenção de sábios?. O cientista? é necessário (ao que a nós nos parece) só quando o antecedente causal não é dado, não está presente? aos sentidos, cumprindo fantasiá-lo por invenção criadora. Para achar o antecedente causal da subida? da água no corpo? de bomba — foi precisa a invenção do peso? do ar?, coisa? que se não dá aos sentidos dos homens; para tornar manifesto o antecedente causal da formação do espectro pela luz? solar — foi mister que interviesse a fantasia? do Newton, com uma invenção criadora: a do caráter? complexo? da radiação do Sol?, composta de luzes com retrações diferentes, — a qual se não oferece também aos sentidos, se não dá ao intelecto?. Nunca se fez realmente ciência pelos famosos métodos de Stuart Mill, ilusão fantástica do preconceito? empirista. A ciência nasce por fantasia livre?, por inspirações subitâneas, por operações produtoras, audaciosamente e sem regras, mas submetendo-se ao controlo das experimentações rigorosas; e a palavra? «descobrir», em vez? de «inventar» (que é a que nós empregamos: inventar), cremos que patenteia um universal? engano acerca do caráter do labor? científico, — que não é de descoberta?, mas sim de invenção, de suposição de coisas? que não são sensíveis. [A. Sérgio, em nota? à sua trad. dos Três Diálogos?, de Berkeley  , pp. 164-165.]


LÉXICO: suposição; suposto