Página inicial > Glossário > afecção

afecção

domingo 17 de outubro de 2021

Mas, esse trans-mundo [arrière-monde] situado por detrás da vida para dela se dar conta, como se parece com essa mesma vida! Como não ver que ele retira dela todas as suas características! A “excitação” investida no duplo [46] sistema neurônico do Projeto é tão-somente o nome da afecção, quer dizer, da fenomenalidade; a excitação “exógena” é a afecção transcendental – do “tecido vivo” – pelo mundo; a excitação “endógena”, e, por conseguinte, a sua autoexcitação, é a autoafecção que constitui a essência originária da subjetividade absoluta enquanto ela é a Vida. Relacionada com o fundo somático da pulsão, a afetividade refere-se tão-somente a si, explica-se por si. Do mesmo modo, veremos que se o princípio de inércia se transforma invencivelmente no de constância, se o sistema não pode se desembaraçar totalmente de suas quantidades de energia, é porque, como autoafecção e como autoimpressão, e sendo apenas o que não cessa assim de se autoimpressionar a si mesmo, a vida não pode justamente se desembaraçar de si.

Sendo assim, nisso encontra-se a razão por que o esquema entrópico possa ceder finalmente diante da incansável vinda em si [venue en soi] da vida. A descarga dos afetos e a insuperável pressão da libido não empregada não designam mais do que a subjetividade da vida quando a prova [épreuve] que ela faz de si é levada ao seu cúmulo, até se tornar insuportável. E a angústia da qual Freud   deu descrições admiráveis – a moeda corrente de todos os afetos – é, por sua vez, apenas a angústia da vida por não poder escapar de si. No final das contas, em suas construções transcendentes como em seus melhores textos fenomenológicos, o freudismo oculta em si o que mais faltou à nossa época e que é, sem dúvida, apesar de suas incertezas teóricas, de suas contradições, e até mesmo de suas absurdidades, a razão de seu estranho sucesso. [MHPsique  :45-46]


[Enn. I, 1  , 7, 9] Plotin   reproduit ici la doctrine de Platon   : « Pose pour certain que parmi les affections que notre corps éprouve ordinairement, les unes s’éteignent dans le corps même avant de passer jusqu’à l’âme et la laissent sans aucun sentiment ; les autres passent du corps à l’âme, et produisent une espèce d’ébranlement qui a quelque chose de particulier pour l’un et pour l’autre, et de commun aux deux... Lorsque l’affection est commune à l’âme et au corps, et qu’ils sont ébranlés l’un et l’autre, tu ne te tromperas pas en donnant à ce mouvement le nom de sensation. » (Philèbe  , t. II, p. 357 de la trad. de M. Cousin.) [BouilletE2  :Nota]
LÉXICO: afecção. V. pathos, aisthesis