Página inicial > Antiguidade > Platão (V-IV aC)

Platão (V-IV aC)

Platão, considerado o maior filósofo da Grécia antiga, foi quem melhor concluiu o pensamento dos pré-socráticos. Com ele tem início a filosofia. Os pré-socráticos eram grandes pensadores. Platão é grande filósofo: é pensador que diz num sistema bem elaborado, no edifício das ideias, numa representação quase pictórica, o que é a realidade. É a filosofia.

A metafísica ou a filosofia não é diretamente o ser, a realidade. É uma representação onde se pretende ler o real.

Nos pré-socráticos o esforço se concentrava em expor o pensamento ao ser, em colocar o pensamento na disposição de perceber o ser, como na contemplação o espírito se entrega ao admirável que se lhe manifesta, como na experiência amorosa o amante se entrega ao amável que aparece no amado, como na arte o artista se entrega à inspiração. Nesse caso o pensar está sob o império do ser, o pensar percebe o ser por imposição manifestativa do próprio ser.

Platão está na vigência dessa tradição pré-socrática. Pensa a partir do ser que se manifesta, a partir dos entes que aparecem. Mas não pára nesse ler ou acolher o desvelamento do ser. Prossegue no destino necessário dessa manifestação: procura retê-la, aprisioná-la numa representação, movido pela ânsia de não perdê-la. A representação é resultado da vontade de possuir o ser que se manifesta.

Platão avança decididamente para o ocaso da tradição pré-socrática: não permanece na simples percepção da mostra originária do ser. Percebendo o espetáculo, tenta dizê-lo elaborando um sistema. A partir de Platão, o pensamento lê o espetáculo da revelação do ser na representação, na metafísica. Em conduzindo a tradição pré-socrática ao seu ocaso, ao iniciar a metafísica, Platão se tornou mestre do Ocidente. Depois dele, todo esforço de pensar o ser se concentra na elaboração de sistemas e modelos onde se lê, opera e controla a realidade. É a metafísica. A ciência e a técnica são sua expressão mais consumada, onde há o máximo de representação e por isso o máximo esquecimento do ser. (Arcângelo Buzzi   — INTRODUÇÃO AO PENSAR)