Página inicial > Palavras-chave > Personagens > Maria / Μαρία / Mariam / Μαριάμ / Maryam / Miryam /

Maria / Μαρία / Mariam / Μαριάμ / Maryam / Miryam /

  

Jaroslav Pelikan

Até mesmo nos evangelhos  , como chegaram até nós, as relações entre Jesus   e João Batista foram complicadas. Os evangelistas não deixaram de divulgar que o ministério de João Batista provocou grande inquietação entre «todos os homens», seus contemporâneos, «estando o povo na expectação, e pensando todos, em seus corações, se porventura João seria o Cristo». Contudo, eles tiveram dificuldades em explicar que o próprio João Batista identificou Jesus como o «Cordeiro de Deus   que tira os pecados do mundo» e que, quando desafiado, explicitamente subordinou sua missão histórica à de Jesus - e sua pessoa   a Ele, «do qual não sou   digno de desatar   as correias das sandálias». Esse posicionamento foi transposto das relações entre João e Jesus para as relações entre Isabel e Maria. No relato que se tornou conhecido como a visitação, João ainda não era nascido: «Ao ouvir   Isabel a saudação de Maria, a criancinha saltou no seu ventre, e Isabel foi cheia do Espírito Santo  . Exclamou ela em alta voz: Bendita sois vós entre as mulheres, e bendito   o fruto   do vosso ventre. De onde me provém que me venha visitar a mãe   do meu Senhor?».

Mais tarde, considerou-se que a língua desse diálogo   entre Maria e sua «prima» (syngenis) Isabel fora o aramaico e que elas poderiam até mesmo ter usado um pouco de hebraico, pois o título dado por Isabel a Maria, «Mãe do meu Senhor», he meter tou kyriou mou, em grego, só poderia ser interpretado como referência a Jesus Cristo se a forma usada tivesse sido Adonai  , «Meu Senhor», termo usado para substituir   o inefável nome divino, YHWH  . De qualquer maneira, foi assim que os primeiros eruditos cristãos do Novo Testamento interpretaram o «título cristológico de majestade», kyrios, mesmo que os evangelhos ou o apóstolo Paulo   não tenham pretendido estabelecer essa identificação. E como na principal afirmação de fé de Israel  , a Shema, repetida por Cristo nos evangelhos — «Ouve, ó Israel: O Senhor nosso Deus é o único Senhor» —,«o Senhor» e «nosso Deus» já eram identificados como um único, os bispos reunidos no Concílio de Éfeso, em 431, não encontraram a menor dificuldade   em transpor a expressão   de Isabel referente a Maria, «a mãe do meu Senhor», para o preceito de Cirilo, isto é, Maria como Theotokos  . (excertos do livro «Maria através dos séculos»)

Geneviève Javary

Mas, a teologia mariana muito cedo associou o nome de Jesus ao nome de sua mãe Maria. Ao Pantocrator propaga Maria Theotokos, a mãe de Deus. Ora, curiosamente, a simbólica da teologia mariana coincide em vários pontos daquela, tão rica, da “Sekina”, como também os cabalistas cristãos notaram analogias. G. de Venise, falando da rola (“Streptopelia turtur”, no Brasil é rolinha, “Uropelia campestres”) que é « a graça  , ou a Divindade  , que os Hebreus chamam Sachina », acrescenta:

Esta rola não é a bem-aventurada Virgem, cuja voz foi ouvida em nossa terra  , quando disse: Eu sou a serva do Senhor, faça-se em mim segundo tua palavra (Lc   1,38 — Bíblia de Jerusalém)?

Para o « provar » propõe esta « equação »: Miriam (Maria) tem como valor   numérico em hebreu 290 e Iesu (Jesus) 316: se acrescentar 290 a 316 ter-se-á 606, ora esse número   é o valor numérico de Tur, « rola (“Streptopelia Turtur”) » em hebreu! Digamos também que esta rola, ou pomba, é na iconografia cristã o símbolo do Espírito Santo: fazer da rola um símbolo de Maria, é reconhecer   nela a morada   do Espírito Santo. Ora, a “Sekina” é para os cabalistas o Espírito Santo feminino  .

Como a “Sekina”, Maria é a mulher   forte   (Prov. 31/10), a nova Eva, a mãe do gênero   humano. Ela está envolvida de sol e tem a lua   sob os pés. Maria é Rainha, como Bina, Rainha dos Céus e Rainha dos anjos  , como Malkut  , Rainha sobre a Terra, « Regente terrestre ». Quantas invocações e quanta piedade   popular se dirigem à Maria nas Litanias, por exemplo, encontram eco na simbólica da Sekina! Citamos apenas:

Morada do Espírito Santo!
Casa de ouro!
Arca da nova aliança!

[trad. de Antonio Carneiro]