Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > Enéada V, 8 Enéada V, 8 (31)

Enéada V, 8
Enéada V, 8 (31)

    

PLOTINO   - TRATADO 31 (V, 8) - SOBRE A BELEZA INTELIGÍ­VEL

Nos tratados 31 e 32 Plotino se alonga sobre sobre a natureza do Intelecto   e do Uno. Uma mesma meditação   se prolonga no que aparece ser um único tratado. O início do Tratado 31 indica com efeito que aquele que apreendeu a beleza do intelecto «será capaz também de se formar uma noção   do pai   do intelecto» o que anuncia claramente o objeto do qual é questão a partir do capítulo 3 do Tratado 32. No Tratado 31, depois de recordar que a beleza está ligada à manifestação   da Forma, graças a uma presença   da «razão» no sensível  , Plotino volta-se a seu objeto: se tudo é forma no inteligível, tudo é belo lá, tudo é perfeito, totalmente em ato em um vida pura e feliz. Em suma, o tratado poderia também ter o título «Sobre o mundo inteligível  » como aí convida sua primeira linha. É verdade que a noção de kosmos, como se sabe, implica aquelas de ordem   e de arranjo e retoma portanto aquela de kalos  , a beleza. O essencial é que o «mundo» ou a «beleza» sejam inteligíveis, quer dizer não, certamente, compreensíveis para nosso entendimento, mas existente em si no Intelecto divino. A tese central do Tratado 31 é aquela que que dá seu título ao Tratado 32: os inteligíveis não estão fora do Intelecto, são o Intelecto ele mesmo na multiplicidade das Formas que ele pode pensar. [Brisson  ]


Capítulo 1: A beleza das artes: exemplo de Zeus   de Fídias.
  • 1-6: Introdução: a beleza inteligível conduz a seu princípio (o Uno  )
  • 6-26: Exemplo de uma estátua: a beleza vem da arte (a forma) e não da matéria (a pedra  )
  • 26-40: A arte não imita tanto a natureza quanto as razões que a fundam. Exemplo da estátua de Zeus de Fídias.

Capítulo 2; A beleza das realidades naturais

  • 1-6: Esta beleza vem da ação de um demiurgo   produtor
  • 6-16: Não é nem a matéria, nem a cor que explica a beleza, mas a Forma
  • 16-28: Não a massa   que é bela, mas a razão que porta   a Forma
  • 29-41: A beleza natural vem de uma beleza maior, que é imaterial
  • 41-46: Ao leitor: veja tua própria beleza!

Capítulo 3: Escalada das razões formadoras até o céu inteligível.

  • 1-9: A beleza vem do Intelecto que produz a razão
  • 9-16: Se fará uma ideia do Intelecto por um de seus atos em nós
  • 16-36: É preciso compreender o Intelecto a partir do nosso e daquele dos deuses

Capítulo 4: Descrição lírica da vida bem-venturosa do Intelecto

  • 1-6: Um mundo de pura luz
  • 6-15: Cada inteligível é também todos os outros
  • 15-27: A relação do todo a sua parte. A vista de Linceu
  • 27-36: Ausência de fadiga   e de lassidão «Lá»
  • 36-55 A ciência de «Lá» é a ciência perfeita

Capítulo 5: O saber verdadeiro

  • 1-9: Há um saber ou uma sabedoria   (sophia) que preside a toda geração e a toda produção
  • 9-15: Crítica dos estoicos   para quem a razão é imanente à natureza
  • 15-20: A dignidade   de uma realidade vem de sua ligação ao saber
  • 20-25: O saber verdadeiro são as Ideias inteligíveis

Capítulo 6: A verdade é conhecida intuitivamente: exemplo dos sábios do Egito  .

Capítulo 7: Produção e totalidade

  • 1-12: Crítica do demiurgo platônico: o produtor do mundo não delibera como o fazem os artesãos
  • 12-18: «Tudo o que se encontra aqui vem de Lá»
  • 18-28: A produção do sensível é imediata e silenciosa
  • 28-35: Aplicação ao caso do homem  : homem inteligível e homem sensível
  • 36-47: Uma produção global do todo não distingue as diferentes causas

Capítulo 8: O inteligível é a beleza perfeita; referência ao Timeu   (37c-d)

Capítulo 9: Tentativa de uma representação em imagem da potência inteligível

  • 1-11: Tentemos nos representar o sensível como um todo perfeitamente unificado
  • 11-28: Peçamos ao deus   para que ele nos ajude a nos elevar à representação do inteligível
  • 28-36: O poder sensível não é senão relativo
  • 36-47: A beleza inteligível é perfeita

Capítulo 10: A contemplação do belo no inteligível

  • 1-4: Processão   de Zeus, dos deuses, dos demônios das almas
  • 4-22: Diferentes graus de contemplação da beleza, da justiça e da temperança
  • 22-31: Visão   da beleza total; comparação   com homens em uma luz dourada
  • 31-43: Identidade   do vidente e do visto no Intelecto

Capítulo 11: O êxtase da alma   no inteligível

Capítulos 12 e 13: Interpretação   do mito de Chronos   devorando seus filhos

  • Capítulo 12: Porque Zeus não foi devorado seu pai
    • 1-3: Aquele que conheceu a união ao belo anuncia o que segue:
    • 3-11: Chronos representa o Intelecto, seus filhos, os inteligíveis
    • 11-26: A salvação   de Zeus é necessária, representa a saída da alma fora do Intelecto
  • Capítulo 13: Relações entre Ouranos  , Chronos, Zeus e Afrodite.
    • 1-11: Chronos entre Uranos e Zeus, quer dizer o Ser   entre o Uno e a Alma
    • 11-24: Beleza da alma do mundo  , figurada por Afrodite; beleza de nossa alma