Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > Tratado 11 Traité 11 Tractate 11 Enéada V,2 Enéada V, 2 Ennead V,2 Ennead V, 2 (...)

Tratado 11
Traité 11
Tractate 11
Enéada V,2
Enéada V, 2
Ennead V,2
Ennead V, 2
Ennéades V,2
Ennéades V, 2
V, 2
V,2

PLOTINO   - TRATADO 11 (V, 2) - SOBRE A GERAÇÃO E O NÍVEL DAS COISAS QUE SÃO DEPOIS DO PRIMEIRO

Tratado de uma riqueza e de uma complexidade notáveis. Plotino   aqui desenvolve uma teoria da matéria que, mesmo se ela se inspira das especulações de Aristóteles  , de Platão   e dos estoicos, se revela muito original. Sua doutrina é muito bem apresentada e segue um plano rigoroso. Depois de uma breve introdução (cap. 1), Plotino   aborda a questão da matéria inteligível (cap 2-5), e prossegue com aquela da matéria sensível (cap. 6-16). [Brisson  ]


Capítulo 1: Como todas as coisas vêm do Uno, se ele é absolutamente simples e que ele permanece sempre nele mesmo?
  • 1-3. O Uno é todas as coisas e nenhuma delas
  • 3-13. O Uno engendra o Intelecto por sua superabundância; o Intelecto, se voltando para seu princípio, dele é determinado, e se torna assim Intelecto e ser.
  • 13-21. Do mesmo modo, por sua potência, O Intelecto produz a Alma; a Alma por sua vez produz uma imagem dela mesma que corresponde as funções inferiores.
  • 21-28. A produção das realidades inferiores não introduz nenhum corte nem nenhuma separação na realidade.

Capítulo 2: A processão de todas as coisas se faz "do primeiro ao último"

  • 1-4, Tudo o que engendra é superior àquilo que engendra; aquilo que é engendrado permanece no entanto em contato com aquilo que o engendrou.
  • 4-10. A Alma desce em uma planta, em um ser irracional ou em um homem, segundo aquela de suas faculdades (vegetativa, sensível ou racional) que domina.
  • 10-24. A descida da Alma em um corpo, de uma planta por exemplo, não implica para ela qualquer deslocamento nem nenhum afastamento de seu princípio, pois ela não se encontra no espaço.
  • 24-31. Logo toda a realidade é como um conjunto vivo contínuo, onde cada parte guarda nela mesma uma imagem daquela que a precede.