Página inicial > Palavras-chave > Personagens > anthropos / ἄνθρωπος / ánthropos / ἀνήρ / aner / homem / esposo / ἀνδρός / andros / (...)

anthropos / ἄνθρωπος / ánthropos / ἀνήρ / aner / homem / esposo / ἀνδρός / andros / ἄρσην / arsen / macho / γυνή / mulher / esposa / ἀρσενικόν / arsenikon / ser humano

    

gr. ἄνθρωπος, ánthropos (ho): homem. Como espécie, oposto ao animal   (oposto à mulher, diz-se ἀνήρ aner, anér = esposo; gen.: andrós). Em Aristóteles  , substância   composta, na qual «a alma   é causa   e princípio do corpo vivo» (De an., II, 4), à qual se soma uma alma intelectual (ibid., III, 4,10,11). Em Plotino  , segundo Gandillac  , situado em posição   mediana entre o bestial e o divino  , mas possui uma atitude à visão   unitiva. gr. γυνή, gyne, mulher, esposa


Sérgio Fernandes

Veja: há uma enorme diferença   entre o meme «ser humano», que a mente   fabrica, e o Ser do humano. Desculpe: «meme» é um meme deliciosamente inventado pela Biologia, como o análogo do gene, no plano simbólico da cultura. Ora, a Mente  , o Pensamento e a Linguagem podem tanto com o Ser quanto um grão   de pó com o pé que o esmaga. É o «ser humano» que está em frangalhos (releia o que se chama de sua «História») e que, ao invés de glorificado, deveria ser superado, mas não o Ser do humano. Este não é «menos» Ser, não é menos plenamente Ser, que o Ser-enquanto-Ser, simplesmente porque tem ser, e o Ser não admite gradações ou degradações. Se abstrairmos do Ser as três características que lhe considero estranhas, quais sejam, as de (ser dito ou pensado como) substância, (ser dito ou pensado como) essência, e (ser dito ou pensado como) existência, entendo o Ser-enquanto-Ser como a única coisa que não «tem segundo», não tem nada que não seja Ele mesmo ou que com Ele «contraste», sendo, portanto, absolutamente... transparente.
[...]
Agora, vamos ao que...«pensamos» que pensamos, no que diz respeito ao (novamente «pensamos» que pensamos) que somos «nós»: abstraindo pela segunda vez aquelas três características estranhas ao Ser (substância, essência e existência), entendo o Ser do humano como a transparência perfeita, mas na qual pode transparecer, ou pode ser compreendido aquilo que é opaco. E já que não somos o Ser enquanto Ser, ou Consciência   em si mesma, proponho que sejamos sua «imagem e semelhança  », ou seja, Experiência (com maiúscula!) em si mesma. E esta última que também chamo de «Ser-enquanto-Experiência», ou «Ser-como-Experiência». Nada demais: a ideia é a de que somos Experiências, ao invés de as «termos». [SER HUMANO]

Brisson

Como todos os seres vivos, o homem (gr. anthropos) é um corpo animado. Tem todavia por particularidade, entre os animais terrestres, poder de exercer as três funções psíquicas que são o desejo [epithymia  ], o ardor [thymos  ] e o intelecto [logistikon  ]. Esta capacidade aproxima o homem do divino e faz dele um animal ao mesmo tempo mortal   e suscetível de conceber o que é imortal (o divino e as formas inteligíveis). O homem é o animal terrestre que tem que ver com a verdade. (Luc Brisson  )

Michel Henry

Ou, se se prefere, é à ideia de homem no sentido que se entende habitualmente que é preciso renunciar. Cremos que há algo como um homem porque olhamos o mundo. É neste olhar, formado por ele, que a silhueta de um homem se recorta diante dele, sobre este horizonte   de visibilidade que é a verdade do mundo. Porque o homem que se vê tem seu aparecer   do aparecer do mundo, as leis deste aparecer são também as suas: o espaço, o tempo, a causalidade, as determinações múltiplas que tecem cada dia as ciências da natureza e as pretendidas ciências do homem e na rede das quais ele é aprendido. Este homem é o irmão   dos autômatos suscetíveis de serem construídos segundo as mesmas leis — e que o serão. Para ser semelhante a isto que somos, o que falta a este espectro, é ser vivente — não este vivente estrangeiro à vida do qual fala a biologia mas este que porta   nele o viver   da Vida fenomenológica absoluta, o homem que não se vê, não mais que o Cristo  , o homem teve nascimento na Vida e tem de seu nascimento transcendental todos seus caracteres patéticos (v. MHnascimento), o homem transcendental do cristianismo, o Filho de Deus  . [MHESV  ]

Hans Jonas

O Homem, o principal objeto destas vastas disposições (v. Arcontes), é composto de carne  , alma e espírito  . Mas reduzido aos princípios últimos, sua origem   é dupla: mundana e extra-mundana. Não somente o corpo mas também a «alma» é um produto dos poderes cósmicos, que formam o corpo à imagem do Homem Primordial (ou Arquétipo) divino e o animam com suas próprias forças psíquicas: estas são os apetites e paixões do homem natural, cada uma das quais emerge e corresponde a uma das esferas cósmicas e todas as quais juntas formam a alma astral do homem, sua «psyche». Através de seu corpo e sua alma o homem é uma parte do mundo e sujeito   à heimarmene  . Encerrado na alma está o espírito, ou «pneuma» (também chamado a «Centelha»), uma porção da substância divina de além a qual caiu no mundo; e os Arcontes criaram o homem com a finalidade expressa de mantê-lo cativo lá. Assim como no macrocosmo o homem está encerrado por sete esferas, também no microcosmo humano o pneuma está encerrado por sete vestimentas-almas originando das esferas. Em seu estado   não redimido o pneuma assim imerso na alma e na carne é inconsciente dele mesmo, entorpecido, sonolento, ou intoxicado pelo veneno do mundo: em resumo, é um «ignorante» [agnoia]. Seu despertar   e liberação   é efetivado através de «Conhecimento» [gnosis  ].

Agostinho de Hipona

Estas três coisas, memória, inteligência, vontade, como não são três vidas mas apenas uma só, nem três mentes, mas uma só mente, não são, por conseguinte, três substâncias, mas uma só substância. (...) Pois me lembro de que tenho memória e inteligência e vontade; e entendo, quero e lembro; e quero querer e lembrar e entender; e lembro ao mesmo tempo toda minha memória e minha inteligência e minha vontade. Pois aquilo que de minha memória não lembro, não está em minha memória. Portanto, nada está tanto na memória quanto a própria memória. Analogamente, quando entendo estas três coisas, as entendo todas ao mesmo tempo. Pois não deixo de entender nenhuma das coisas inteligíveis, salvo o que ignoro. Ora, o que ignoro, nem o lembro nem o quero. Portanto, todas aquelas coisas inteligíveis que não entendo, tampouco as lembro nem as quero. De modo contrário, quantas coisas inteligíveis lembro e quero, consequentemente as entendo. Minha vontade, pois, compreende toda minha inteligência e toda minha memória, enquanto uso de tudo o que entendo e lembro. Por esta razão, quando todas estas coisas são compreendidas alternativamente por cada uma, é igual cada uma delas a todas as demais, e todas elas separadamente, ao mesmo tempo, a todas, e estas três coisas são uma só, uma vida, uma mente, uma essência. (De Trinitate, XI, 11.)

Pierre Gordon

O homem que vemos e tocamos não é o homem real; ele guarda, nas dobras dele mesmo, um ser dinâmico, que o comanda, que lhe sobrevive, que conhece as coisas por outras modalidades e cuja ação não está sujeita às mesmas constrições. Esta força interior porta segundo os povos os nomes mais diversos. Frequentemente, multiplica-se por ela mesma a fim de sublinhar bastante os aspectos; aloja-se assim no centro   invisível do homem, até seis ou sete princípios dinâmicos. Estas variantes não mudam nada à concepção essencial, que é que a realidade do homem, no que concerne tanto o conhecimento quanto o poder, não é o aspecto fenomenal. Abaixo está oculta uma fonte de vida. [IMAGEM DO MUNDO NA ANTIGUIDADE  ]