Página inicial > Palavras-chave > Termos > anabasis / ἀνάβασις / ascensus / anabaino / ἀναβαίνω / subir / catabasis / (...)

anabasis / ἀνάβασις / ascensus / anabaino / ἀναβαίνω / subir / catabasis / descensus / anábase / catábase / κατάβασις / κατάβασία / κατάβασεως / katabasis / katabasia / katabaseos / káthodos / κάθοδος / anagoge / ἀναγωγή / ἀνάγω / ascensão / airein / elevar-se / anabakkheúesthai / transe / psychanodia / taraqqi / nuzul / ταξίδι / taxidi / viagem / miraj

    

gr. ἀνάβασις, anabasis = ascensão. Este movimento   da alma   é uma conversão ou, mais literalmente, um «remontar» que se opõe à processão   pela qual uma parte da alma «se torna» corpo, ou, melhor, está associada intimamente à organização do corpo vivo. A anabasis corresponde à anodos do livro VII da República   quando os prisioneiros deixam a caverna   para descobrir a realidade verdadeira (517b4-5).


gr. κάθοδος, káthodos ou katabasis: descida, queda (da alma). O tema da subida (anabasis) e da descida (katabasis) no símile da caverna repercute na psicologia neoplatônica.
gr. ἀναγωγή, anâgogé, do verbo anágein. Esta ascensão é um retorno à origem da alma. O termo figura nas últimas palavras que Plotino   teria dito, segundo Porfírio  : «Ele afirma que ele se esforçava por fazer ascender o divino   que está em nós ao divino que está no Todo». gr. anagogikos = dirigindo ao mais elevado.
gr. aírein = elevar-se; lembra a força da inspiração   poética que vem da divindade, segundo Platão   Ion  , 533e ss.
gr. anabakkheúesthai designa o transe dionisíaco; Platão compara os filósofos a bacantes (Fédon   69d1), na medida que a busca da verdade e da beleza deve suscitar em nossa alma uma paixão entusiasta.

Daryush Shayegan

O mundo do Imaginal se situa a bem dizer em um duplo Intermundo tanto ao nível do arco da Descida (nozul, a passagem do Um ao múltiplo) quanto ao nível do arco da Subida pelo qual todos os seres criados aspiram reunir  -se a sua fonte original. Situado no arco da Descida este Intermundo é designado como a cidade de Jabalqa, quer dizer o mundo do Imaginal enquanto tal, precedendo assim ontologicamente o mundo dos fenômenos sensíveis. Mas em revanche, considerado sob o ângulo do Retorno, é a Cidade de sombra de Jabarsa. Está portanto situado no arco de Ascensão, quer dizer ao nível ontologicamente posterior   ao mundo sensível  , posto que marca   se se quer o portal fatídico da ressurreição  . É portanto o mundo além da post-mortem das formas atualizada da alma, o mundo dos corpos sutis   arquetípicos. Tudo isto que existia em potência na alma como as impressões sutis, originárias dos hábito   adquiridos, comportamentos morais, resultantes dos atos, aí aparecem sob formas conformes à qualidade   das impressões das quais elas procedem. Assim o Imaginal aparece no arco da Subida, constituído principalmente de corpos sutis e arquetípicos (jism mithali). Este poder de simbolização e de tipificação está ligado à imaginação   ativa da alma. É a alma (a Forma) que é princípio de individuação nos diz Sadra   Shirazi. Ela é assim «pura forma» e enquanto Forma, ela é também uma substância   separada e independente da matéria do corpo físico. E como estas «Formas imaginativas» subsistem à maneira pela qual uma coisa subsiste por seu agente   ativo (fail) e não à maneira pela qual uma coisa persistiria por seu receptáculo   passivo (qalib), a Imaginação é essencialmente uma Imaginação ativa. [ShayeganHC  ]