Página inicial > Palavras-chave > Termos > eidos / εἶδος / εἰδητικός / eidetikos / eidolon / εἴδωλον / eídôla / ídolo / eikon / (...)

eidos / εἶδος / εἰδητικός / eidetikos / eidolon / εἴδωλον / eídôla / ídolo / eikon / εἰκών / eikôn / agalma / phantasma / φάντασμα / φανταστικών / phantastikon / image-making power / φανταστικά / phantastika / phantasia / φαντασία / fantasia / imaginação / typos / τύπος / τύπωσις / týpôsis / typosis / impressão / diadelon / ἀρχέτυπον / archetypon / ἀρχέτυπος / archetypos / idea / ἰδέα/ morphe / μορφή / άμορφος / amorphos / αμορφία / amorphia / aneidon / amorphon

gr. εἶδος, eídos = aparência, natureza constitutiva, forma, tipo, espécie, ideia. (gr. eidos, idea) Apesar da frequência e sobretudo da importância da noção em sua obra, Platão não define jamais explicitamente a "forma inteligível".


gr. φαντασία, phantasía (he): imaginação, impressão. týpôsis: imprimir, impressão ver aisthesis, noesis. Faculdade da alma humana de criar imagens imanentes. Platão emprega incidentemente essa palavra, ora no sentido de aparência (Deus é simples e não nos engana com simulacros, Rep.  , II, 382c), ora no sentido de faculdade imaginativa (imaginação e sensação são uma mesma coisa, Teeteto  , 152c). Aristóteles a trata essencialmente como faculdade em De anima (III, 3  ) insistindo no fato de que ela é diferente da sensação (aísthesis) e do pensamento (diánoia): ela é "movimento nascido da sensação". Para Epicuro  , a phantasía é sempre verdadeira (Sexto Empírico, Adv. math., VII, 203). Os estoicos empregam a palavra phantasía em dois sentidos. Por um lado, é ela aparência (enganosa) que se opõe ao fenômeno (phainómenon), que é o fato normal (Epicteto  , Manual, I, 5  ).
gr. φάντασμα, phantasma; φανταστικών, phantastikon, image-making power
gr. εἴδωλον, eídôlon: imagem. Platão distingue duas espécies de eídôla: os phantásmata que não são conformes ao modelo, e os eikónes que lhe são conformes. O estatuto ontológico da imagem em Platão está ligado a sua teoria das Formas e a sua teoria da imitação.
gr. εἰκών, eikôn, agalma: imagem, reflexo. Em Platão os eikónes compreendem as sombras (skiaí) e os reflexos (phantásmata) produzidos pelas realidades sensíveis e são objetos da percepção sensível (eikasía) (Rep VI 509e-510a). A imagem (eikôn) é um fantasma do ser (phántasama, Timeu   52c-d), o mundo sensível é uma imagem do mundo inteligível e as imagens produzidas pelas artes da imitação estão a três graus da realidade.
gr. μορφή, morphe = forma sensível, aspecto, perfil, figura.
gr. aneidon, amorphon = informe, sem forma. Além da Forma das Formas primeiras, que é o Espírito ou Mente, , não há senão um princípio formante, o princípio que forma a primeira Forma, que não é ele mesmo Forma, porque não é formado. É o "sem forma". (Pierre Hadot  )
gr. τύπος, typos = marca, impressão. O termo designa literalmente uma marcação ou um "golpe" em que consiste a impressão de um objeto externo (Enéada IV-9). "Impressão nítida" traduz diadelon typoi, onde diadosis aponta para a clareza da transmissão. (Brisson   & Pradeau  )