Página inicial > Medievo - Renascença > Eriugena Seu Próprio

Eriugena Seu Próprio

domingo 20 de março de 2022

      

XX SEU PRÓPRIO (Jo I,11; Jo I,12)

"Ele veio para o que era seu próprio" — para estas coisas, quer dizer, que foram feitas por ele e portanto não eram sem valor   para seu próprio — "e o seu próprio não recebeu ele".

"Seu próprio" é a humanidade, que ele queria redimir e que ele redimiu.

"Mas, a todos quantos o receberam, a eles deu-lhes poder para se tornarem filhos de Deus   mesmo àqueles que acreditaram em seu nome".

Aqui uma divisão é feita, não na humanidade do mundo racional, mas nas sua vontade. Aqueles que recebem o Verbo encarnado estão separados daqueles que o rejeitam. O fiéis acreditam que o Verbo veio e livremente recebem seu Senhor. Os incrédulos negam e teimosamente o recusam — os judeus   pela inveja  , os pagãos pela ignorância. Para aqueles que o receberam, ele deu o poder de se tornar filhos de Deus. Para aqueles que não o receberam, ele deu a oportunidade   de recebê-lo um dia.

Pois a possibilidade de crer no Filho   de Deus e de se tornar um filho de Deus   não é negada a ninguém — pois isto é feito da vontade humana, junto com a cooperação da graça - Graça divina.

Para quem, então, é dado o poder de se tornarem filhos de Deus? Para aqueles que o recebem e creem no seu nome. Muitos receberam o Cristo  . Os seguidores de Arius, por exemplo, o receberam, mas não creram no seu nome. Eles não creem que ele é o único primogênito Filho de Deus, consubstancial com o Pai. Eles negam sua homoousion — sua co-essencialidade com o Pai — e afirmam sua heteroousion — seu ser de outra essência que o Pai. Por este ponto não os beneficia receber   o Cristo, pois esforçam-se para negar seu nome. Aqueles que verdadeiramente recebem o Cristo — verdadeiro Deus e verdadeiro ser humano   — e creem nisto muito firmemente: para aqueles é dada a possibilidade de se tornarem filhos de Deus.