Página inicial > Gnosticismo > Evangelho de Tomé - Logion 32

Evangelho de Tomé - Logion 32

sábado 13 de agosto de 2022

    

Pla

Jesus   disse: uma cidade construída sobre um alto monte e fortificada, não pode cair, nem permanecer escondida.


JESUS HA DICHO: UNA CIUDAD CONSTRUIDA SOBRE UN ALTO MONTE Y FORTIFICADA, NO PUEDE CAER, NI PERMANECER ESCONDIDA.

Puech

32. Jésus a dit : Une ville construite sur une haute montagne (et) fortifiée, il n’est pas possible qu’elle tombe, et non plus elle ne pourra être cachée.

Suarez

1 Jésus a dit : 2 une ville que l’on construit sur une haute montagne 3 et qui est forte   4 ne peut pas tomber 5 ni ne pourra être cachée.

Meyer

Jesus said, “A city built upon a high hill and fortified cannot fall, nor can it be hidden.” [Cf. Matthew   5:14; 7:24–25 (Q); Luke 6:47–48 (Q).]

Canônicos

Vós sois a luz   do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte (Mt 5:14; vide Candeia Acesa)


Roberto Pla

A cidade que aqui se fala é, sem dúvida, a Jerusalém celestial profetizada por Ezequiel e reconhecida pelo autor do Apocalipse   de João.

  • No ano vinte e cinco   do nosso cativeiro, no princípio do ano, no décimo dia do mês, no ano catorze depois que a cidade foi conquistada, naquele mesmo dia veio sobre mim   a mão   do Senhor, e em visões de Deus   me levou à terra   de Israel  , e me pôs sobre um monte muito alto, sobre o qual havia como que um edifício de cidade para a banda do sul  . (Ez 40,1-2ss)

Esta é a Cidade Santa que serve de morada   a todas as “gotas de luz”, quer dizer, ao homem   pneumático cuja denominação simbólica e global no evangelho é a de “grãos de trigo  ”, na suposição de que todos eles são espigas de grãos bem purificadas e arremessadas na era de suas próprias vidas.

Se se diz que esta cidade está fortificada é pela colina do Templo   onde se alça a chamada “fortaleza de Sião”, que domina a cidade e a preside por ser a Casa de Deus. Nela nasce a fonte   de luz donde emana como Palavra divina, toda a luz que resplandece nas “gotas”. E se se diz que esta cidade “não pode cair, nem permanecer escondida”, é porque seu patrimônio é ser a Vida eterna, e também, porque a luz, como a sabedoria  , “é reconhecida por suas obras”.

  • Veio o Filho   do homem, comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um comilão e bebedor de vinho  , amigo de publicanos e pecadores. Entretanto a sabedoria é justificada pelas suas obras. (Mt 11,19)

Tudo isso explica Jesus em seu evangelho, subjetivando-o, quando afirma: “Vós sois a luz do mundo”. Com isto intenta dizer a todos os que o escutaram e aos que durante muitos séculos o escutaram depois, que na essência   de si mesmo   tem cada homem um hóspede de luz que há que descobrir. Jesus revela que ele vai baixar do Céu da Cidade Santa, tal como o via também, pouco depois, o autor do Apocalipse de João, como se o céu estivesse finalmente (como assim é) aposentado no coração   do homem.

  • E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma noiva   ataviada para o seu noivo. (Apocalipse 21:2)

Quando agrega Jesus que “uma cidade situada no alto do monte, não se pode ocultar”, menciona ao mesmo tempo duas razões distintas: por seu brilho excepcional, a luz da cidade não permanecerá oculta para ninguém que a busque com tenacidade   e com zelo, enquanto, se invoca a obrigação que a cada homem corresponde, em sua qualidade   de ser depositário da luz sagrada, de voltar-se pela metanoia   até sua própria lâmpada escondida sob a cama, até descobri-la e pô-la sobre o velador, “para que ilumine a todos”, além de iluminá-lo a si mesmo, que isto é por adendo (vide Candeia Acesa).

Suarez

LOGION 32

P. Oxyr. 1 n° 7 Mt 5.14

Mt 7.24-27 // Lc   6.47-49

Les développements de Mt 7.24-27 // Lc n’ont qu’un rapport indirect avec le présent logion. Ils expriment cependant une sagesse qui nous ont invités à les transcrire ici. Cependant l’expression pratiquer la parole semble devoir être associée à d’autres observances contre lesquelles Jésus s’est élevé (cf. log. 6 et 14).


La préposition copte sur qui introduit me haute montagne est la contraction de sur le sommet de [Cf. G. Garitte, op. cit., p. 168-169]. Il est possible que le rédacteur du texte grec lui ait redonné son sens plein pour renforcer l’effet du logion.


Ver online : Evangelho de Tomé