Página inicial > Arte e Simbolismo > Fato

Fato

domingo 20 de março de 2022

Gurdjieff  
Bennett: THE DRAMATIC UNIVERSE

Devemos usar a palavra «fato» para denotar o conteúdo de conhecimento tanto atual e potencial. O fato é portanto tudo que conhecemos e tudo que poderíamos conhecer. Fazendo uso da conexão que encontramos entre conhecimento e função, a definição pode ser feita independente de nossa experiência privada. Se o conhecimento é o ordenamento da função, e o fato é o conteúdo do conhecimento, então podemos dizer que fato é a experiência da ordem funcional.

O fato é em dois respeitos mais pobre em conteúdo que a experiência. O conteúdo de consciência e compreensão não é fato, e mesmo nossa experiência de função é somente fato na medida que é reduzido à ordem e se torna conhecimento. No então, o conteúdo de todo conhecimento é o mundo do fato, e o que não é fato não pode ser conhecido (Wittgenstein  ). A experiência nos ensina que nunca conhecemos um simples fato. A natureza da função é tal que é complexa e composta. O fato é composto de fatos, e cada experiência de ordem em qualquer escala é um fato atômico.

Os instrumentos pelos quais atingimos conhecimento do fato são vários. Eles incluem experiência sensorial, introspecção, memória, reflexão, inferência, imaginação, alucinação, e sonho. Mas todos os fatos, não importa como conhecidos, são sempre da mesma espécie.Um evento ontem é um fato na medida que inferimos da memória que ocorreu; nossa recordação do evento é outro fato porque poderíamos isolá-lo do primeiro. Em qualquer momento há fatos já completamente atualizados do passado, fatos nem curso de atualização, e há fatos com a potencialidade de atualização no futuro.

No «Domínio do Fato» há uma multiplicidade dupla. Há muitos conhecedores de fatos e há muitos fatos conhecidos. Nenhum conhecedor conhece todos os fatos; disto podemos estar certos. É também provável, mas não certo, que um sequer fato é conhecido de todos os conhecedores. Entretanto, o que é um fato para um conhecedor pode ser um fato diferente para outro ou mesmo não ser um fato em absoluto. Assim, com o fato sempre surge o problema da comunicação.

Três condições devem ser preenchidas a fim de que um item de experiência possa ser qualificado para designação como fato:

  • deve experiência - ser experimentado;
  • deve função - ser funcional em caráter; e,
  • dever conhecimento - ser conhecido.

O último requisito distingue o fato da função em geral e faz o fato relativo a uma experiência particular. Não é legítimo dizer «isso pode ser função, mas não é função para mim»; mas é bastante legítimo dizer «tal e tal pode ser um fato, mas não é um fato para mim; pois não entrou na minha experiência e não conheço».

Se, entretanto, digo «tal e tal é um fato mas não é importante», estou fazendo uma asserção que mais é do que factual — estou dando expressão a um juízo - juízo de valor. «Importante» é uma palavra de valor e seu significado é relativo a um estado - estado de consciência. Podemos facilmente verificar que nossos julgamentos da importância ou não importância de qualquer elemento da experiência varia de acordo com nosso estado de consciência. Pouco tem a haver com o o conteúdo funcional da experiência ela mesma. Dificilmente há qualquer manifestação funcional que em um momento dado possa não parecer importante e em outro não importante. Devemos portanto concluir que os valor - valores não podem ser conhecidos. Isto está em acordo com sua inscrição ao elemento de consciência em nossa experiência.