Página inicial > Imaginal > Pierre Gordon (RP) – Animalidade

Pierre Gordon (RP) – Animalidade

domingo 20 de março de 2022

      

Se a história verdadeira é assim feita dos esforços que tenta o homem   para reganhar as alturas de onde ele se precipitou, a situação atual da Terra   e da humanidade apareceu como um simples parênteses marginal na evolução do universo  , parênteses que se apagará a princípio, e do qual não restará nem a lembrança nem o vestígio, porque nosso planeta  , e o homem, seu soberano, terão recuperado seu lugar normal no seio da criação.

Em aguardando, a Terra é travestida por nós em lugar de provações. O homem momentaneamente perdeu sua grandeza   inicial; não tem mais nada do ser prestigioso que era destinado a ser e que voltará graças ao super-homem. Caído ao nível da animalidade, se mostra incapaz de governar racionalmente o reino do qual é ao mesmo tempo a criatura sintética e o mestre. Criado livre, vive acorrentado; formado aderente ao ser, vive aparte do ser; em lugar de se mover no seio das essências, se alimenta de sensações; longe de juntar  -se a existências, se agarra a reflexos. O cosmo, onde tudo é inflamante, se tornou para ele opaco e impenetrável. O espaço-tempo humano, que é sua obra, forma ao seu redor uma carapaça que o cinde ao mesmo tempo de Deus   e das criaturas, do ser e dos seres.

Os resultados calamitosos do desprendimento   mental   que produziu a ocultação primitiva, demonstram que o universo din  âmico - universo luminoso escondido na obscuridade da matéria espacial jamais cessou de ser o grande motor da atividade   humana. O que pôs em movimento   o homem quando se abriu para ele a forma atual da duração, é, com efeito, a necessidade   incoercível de reencontrar as claridades do mundo desaparecido, assim afirmando a importância primordial dos elãs humanos para a luz   da origem. Esta necessidade o agitará até que este mundo se restaure, ou até que ele o perca para sempre. Fora desta demanda, nada conta aqui em baixo; pode-se mesmo dizer que nada verdadeiramente existe. [A REVELAÇÃO PRIMITIVA]


Ver online : Excertos de Pierre Gordon