Página inicial > Medievo - Renascença > Boehme: Busca

Boehme: Busca

terça-feira 9 de agosto de 2022

    

Citações com referências à palavra «busca». Retiradas do estudo de Franz Hartmann   sobre Boehme  .

«A alma   busca na Divindade e também nas profundezas da natureza; pois ela tem a sua fonte e a sua origem no todo do Ser divino». (Aurora  , Prefácio, 98).

«Assim como o olho do homem   busca as estrelas de onde teve sua origem primitiva, a alma penetra e vê no estado   divino do ser, onde vive». (Aurora, Prefácio, 99).

«Tudo o que se busca e se investiga sobre os mistérios divinos num espírito   de egoísmo é inútil. A vontade própria não pode compreender nada de Deus  , porque essa vontade não está em Deus, mas é externa à Ele. A vontade num estado de tranquilidade   divina, compreende o divino  , porque é um instrumento do Espírito, e é o espírito em que a vontade é tranquila que tem a faculdade de tal compreensão. Há muitas coisas, sem dúvida, que podem ser investigadas, aprendidas e compreendidas num espírito de egoísmo, mas a concepção assim formada pela mente   não passa de uma aparência externa, e não há compreensão do fundamento essencial.» (Signature 15,33)

«Eu nunca desejei saber nada sobre os mistérios divinos, nem compreendo como posso busca-los ou encontrá-los. Tudo o que busquei foi o coração   de Jesus Cristo   (o centro   da verdade), onde devo me ocultar e encontrar a proteção da temível cólera   de Deus; peço a Deus sinceramente que me conceda o Seu Espírito Santo e a Misericórdia  , que Ele possa me abençoar, conduzir e afastar de mim   tudo o que nos separa, a fim de que eu não viva em minha vontade própria, mas na Dele. Engajado nessa busca e nesse desejo sincero, a porta   me foi aberta, de modo que em um quarto de hora, vi e aprendi mais do que se estivesse estudado por muitos anos nas universidades.» (Cartas, XII 6,7).

«Acima de tudo, examine consigo mesmo, o propósito de conhecer os mistérios de Deus, e se estais preparado a empregar aquilo que receber   para a glorificação de Deus e para o benefício do próximo. Você está pronto para morrer   inteiramente para sua vontade terrestre e egoísta, e desejas, sinceramente ser um com o Espírito? Aquele que não tiver tais propósitos elevados, e busca apenas um conhecimento que satisfaça o seu eu, ou para ser admirado pelo mundo, não está apto   a receber tal conhecimento». (Clavis, II. 3).

«O ímpio busca Deus fora de seu próprio ser; os sectários buscam um Cristo pessoal na história; o homem de Deus e o verdadeiro Cristão conhecem Deus e o Cristo dentro de sua própria alma».

«O superior deseja o inferior   e vice-versa. A fome daquilo que está acima é direcionado poderosamente para a terra  , e a fome da terra busca aquilo que está acima. Assim, se compararmos um ao outro, são como corpo e alma, ou como homem e mulher, gerando filhos». (Grace V 19).

«Os quatro elementos   são apenas qualidades de um elemento indiferenciado. Portanto há uma grande ansiedade e desejo entre eles. Eles constituem interiormente um só princípio, e, portanto desejam instintivamente uns aos outros, sendo que cada um busca o princípio interior no outro». (Clavis 106).

«Nos seres deste mundo encontramos em todo lugar dois   seres em um — primeiro, um ser eterno, divino e espiritual e depois um que tem um princípio, que é natural, temporal e corruptível  . O desejo soprado, ou seja, o amor do poder divino pela natureza, de onde a natureza e a vontade-própria se originaram — busca livrar-se da vontade natural pervertida, e está destinada, no final dos tempos, a ficar livre da ilusão   adquirida, e a ser trazida para uma natureza clara e cristalina». (Contemplations, I 30).

«Há agora uma forte   atração sexual nas criaturas. O espírito masculino   busca o filho   amado   na fêmea, e o feminino o busca no masculino». (Three Principles, VIII 44).

«A mãe-água deseja ardentemente a mãe-fogo  , e busca pela criança   do amor. Do mesmo modo, a mãe-fogo busca a criança na mãe-água, fazendo com que ambos os sexos possuem um forte desejo de se misturar com o outro». (Three Principles, VIII 42).

«Deus também vive no homem. Portanto, se amamos e buscamos, não mais que ao nosso (verdadeiro) ser, então amamos a Deus. Aquilo que fazemos uns aos outros fazemos a Deus. Aquele que busca e encontra seu irmão e irmã buscou e encontrou a Deus. Nós estamos Nele, todos em um só corpo com muitos membros, sendo que cada um tem sua própria função». (Threefold Life, XI 106).

«Cada oração   que não encontra e toma o que pede é fria e insípida, obstruída por coisas temporais terrestres; ou seja, a alma não se aproxima de Deus em pureza  . Ela não deseja sacrificar a si mesma inteiramente à Deus, mas busca os amores terrestres que a mantém aprisionada, não podendo alcançar o reino de Deus  ». (Prayer, XVIII).

«Ninguém deve se imaginar seguro após ter obtido a coroa de pérolas, pois pode perdê-la novamente. A alma, durante sua vida terrestre, está acorrentada por três temerosas correntes. Primeiro pela severa cólera de Deus, o abismo   e as trevas do mundo, que é o centro da vida criada da alma, cuja raiz mais íntima é o desejo. A segunda corrente é a ânsia ígnea do demônio pela alma, que tenta a alma e busca, incessantemente, tirá-la do repouso da verdade divina para cair na vaidade  , no orgulho, na avareza  , na inveja   e na raiva; através destas propensões malignas, ele procura ventilar o fogo na alma, a fim de que se afaste de Deus e penetre o egoísmo. Mas a terceira e mais perigosa corrente é a do corpo e do sangue  , corruptíveis, fúteis, terrestre e mortal, cheios de desejos e inclinações malignas, juntamente com a região astral (plano astral), onde, como num grande oceano, a alma está flutuando, o que a faz ser, diariamente, inflamada e infectada pelo pecado». (Three Principles, XXV 7).

«As crianças iluminadas de Deus são amedrontadas por grandes perigos; muitas das que desfrutaram da grande visão   da santidade   de Deus, nas quais o triunfo da vida é alcançado, a razão carnal se espelha ali e busca introduzir seu egoísmo no centro interior, de onde a luz   brilha. Disso resulta o orgulho miserável e o auto conceito; a razão egoísta — sendo, mais que nada, um reflexo da luz eterna — fantasia ser mais do que isso. Ela pensa agora poder fazer o que quer, e que, o que quer que faça, é a vontade de Deus fazendo por ela, acredita ser um profeta  . No entanto, ela não penetra lugar algum, senão com seu próprio ser, e se movimenta com seu próprio desejo, através do qual o centrum naturae logo começa a aparecer  . Surge então, o demônio da bajulação e o homem se torna embriagado pelo auto conceito, persuadindo a si mesmo   que é Deus quem o compele a agir de tal forma. É assim que ele arruína o bom princípio, durante o qual a luz de Deus começa a brilhar na Natureza, e a luz de Deus o abandona. Nada fica, senão a luz da natureza exterior na criatura, mas o convencimento   se manifesta e fantasia ser ela a luz original recebida de Deus». (Calmness, I 8).

«A causa   do antagonismo entre a carne   e o espírito pode facilmente ser encontrada; o espírito interior tem o corpo de Deus, nascido da doce essencialidade, e o espírito externo tem o corpo do espírito ígneo da cólera, que busca, continuamente, a cólera despertada; ou seja, as grandes maravilhas que estão no Arcanum, na inflexibilidade da alma. O amor-espírito interior protesta e não irá deixar o espírito externo surgir   e incendiar a alma; pois isso seria perder sua própria felicidade   e forma, que seriam destruídas pela cólera». (Forty Questions, XVII 14).

«Há dois tipos de vontade a serem distinguidas na constituição do homem. Uma surge com o lírio e cresce no reino de Deus; a outra afunda nas trevas da morte e desejos pela terra, sendo ela sua mãe. Essa irá lutar contra o lírio, constantemente, e o lírio voa para longe de sua aspereza. Um broto cresce da terra, e assim a substância   da qual é formada voa da terra e é atraída para a luz do sol até se tornar uma planta   ou uma árvore. Então o Sol   divino atrai o lírio humano, ou seja, o novo homem em seu poder, fora da substância do demônio, até que ele finalmente se torne uma árvore no reino de Deus. Ele deixa a árvore má ou a casca cair na terra, sua mãe que tanto busca, para deixar crescer a nova árvore». (Menschwerdung, XI 8).

«Nossa vida deve ser um arrependimento constante, pois é também uma contínua corrente de pecado. Na verdade, o nobre ramo de lírios, recém nascido em Cristo, não peca; no entanto, o homem terrestre peca em corpo e alma, e busca destruir a nobre flor  ». (Stiefel, XI 537).

«Cara alma, se desejas a luz de Deus, e também a luz deste mundo, se desejas alimentar seu corpo (e mente  ), e (ao mesmo tempo) busca os mistérios de Deus, faça aquilo que o próprio Deus faz. Um olho de sua alma olha a eternidade  , o outro a natureza. Esse busca continuamente no desejo e cria um espelho   atrás do outro. Que assim seja. Assim deve ser, pois Deus assim o quer. Mas o olho voltado para a eternidade não pode se voltar para o desejo (longe de Deus); é através dele que se busca virar o outro para si mesmo, e não deixá-lo se desviar   de ti; ou seja, não deixe ele se afastar do olho que mira a liberdade. Coloque sua vontade naquilo que está fazendo, lembrando de que é um servo   da vinha de Deus; quer dizer, do Eterno; mergulhe sua vontade a cada instante   na humildade   diante de Deus; então sua imagem irá caminhar na humildade com sua vontade na majestade de Deus, e será iluminada perpetuamente pela triunfante luz de Deus». (Forty Questions, XII 28).

«Se a alma-fogo não se tornou substancial no Espírito de Deus, nem buscou esta substância em seu desejo, é então um fogo negro, queimando em grande angústia   e terror, pois há em sua constituição apenas as quatro qualidades inferiores da natureza. Se a vontade nada tem do poder divino da verdadeira humildade, não poderá haver em nela penetração da vida através da morte; a alma fica como uma roda viva furiosa, buscando continuamente elevar-se  , enquanto se afunda cada vez mais do outro lado. Há neste estado, com certeza, uma espécie de fogo, mas não uma combustão, pois ali governa uma severa dureza e amargor. O amargor busca o fogo e quer aumentá-lo; mas a acidez o mantém aprisionado, o que resulta uma terrível ansiedade que assemelha-se a uma roda viva, girando perpetuamente em torno de si mesma». (Forty Questions, XVIII 14).

«A Fêmea deseja o macho, e a Lua   busca o Sol; pois ela é de natureza material, e deseja um coração celeste. Assim, a matriz   feminina deseja o coração do homem e a alma feminina deseja sua tintura; pois a alma é um bem eterno. Assim, existe o desejo sexual entre todas as criaturas; elas desejam misturar-se uma com as outras. O corpo não compreende isso, nem tampouco o espírito-ar; mas, as duas tinturas, a masculina e a feminina, conhecem muito bem». (Threefold Life, IX 106).


Ver online : Jacob Boehme