Página inicial > Imaginal > Gordon Deus Criador

Gordon Deus Criador

domingo 20 de março de 2022

      

OBRA DE UM DEUS   CRIADOR
O cenário relativo ao Jardim   do Éden - estado   edênico e à queda do homem   poderia ser suficiente, desde que não se tivesse com o tempo se perdido o sentido dos ritos iniciáticos, e a própria ideia do universo   din  âmico. O único meio de religar (Religião) o mundo fenomenal ao mundo energético, que do primeiro é a fonte  , o suporte e a explicação, era então de designá-lo expressamente como a obra de Deus, quer dizer do Ser que é a plenitude   e a infinitude do ser, — do Ser que forma o centro   do universo real, e o único abrigo de luz, — do Ser no qual se integram, em um elã de amor, em todos os estágios da criação cósmica, o Eu   que Ele retirou do nada e que lhe fazem um dom total do domínio de existência que lhes conferiu. Estas concepções, que eram comuns na época anterior  , quando do fervor iniciático, tinham necessidade   de ser precisadas em um período de decadência religiosa.

Não é preciso muito comentar aqui o primeiro relato do Gênesis. Destaquemos simplesmente que ele não é bem entendido senão em referência a ritos celebrados em uma Caverna   sagrada antes de ser transportados para um templo  . Assinalemos também que se entrevia aqui e ali, na origem primeira do texto, uma liturgia bastante análoga àquela de Ea criando Apsu, e fazendo surgir   da água a luz  , em seguida a terra   — a «terra pura» do princípio. Mas a noção de Todo-Poderoso do Divino e da realização   instantânea dos decretos eternos transfigura tudo. Aqui nenhuma desconfiança de luta   e de resistência. Estamos no universo da Sobrenatureza, onde o fiat   do Ser é a única lei.

Já fizemos observar   que um ponto capital do relato bíblico consistia nas plavras: «Façamos homens a nossa imagem, segundo nossa semelhança  » (Gen 1,26) — palavras que têm por eco na segunda narração: «Eis o homem tornado com um de nós» (Gen 3,22). Não é duvidoso, segundo este plural, inicialmente desconcertante em um obra tão claramente monoteísta, que a intenção do texto seja designar o ser   humano antes de tudo como um EU: é este caráter somente que o torna semelhante à pluralidade de Eu divinos. Esta questão é essencial: todo o sistema do mundo pivota ao redor dela; as relações dos Eu e do ser-pensamento   constituem, com efeito, o fundo do dinamismo cósmico, e são eles que fornecem a explicação da humanidade. Além do mais, assinalamos que o pensamento profundo incluso nestas passagens se encontrava veiculado pelo ritual: os oficiantes que representavam Deus na liturgia da criação formavam verdadeiramente uma tríade — esta tríade criadora que se encontra em diferentes povos: pode-se conjecturar que um dos três personagens sagrados falava, enquanto um outro executava, e o último presidia.