Página inicial > Antiguidade > arche

arche

sexta-feira 25 de março de 2022

      

arché: começo, ponto de partida, princípio, suprema substância   subjacente (Urstoff), princípio supremo indemonstrável

1. A busca da «substância» básica de que são feitas todas as coisas é a mais antiga da filosofia grega e é acompanhada pelo problema com ela relacionado de qual é o processo que por sua vez faz surgir   das coisas primárias as coisas secundárias. Ou, para utilizar terminologia estritamente aristotélica: o que é a arche   (ou archai) e qual é a gênesis dos syntheta?

2. A procura pré-socrática de uma arche no sentido de uma causa   material (Aristóteles   colocara a investigação dentro das suas próprias categorias de causalidade; ver endoxon para o método implicado) é descrita por Aristóteles na Metafísica 983-985b, e a palavra   arche deve ter sido usada pela primeira vez neste sentido técnico por Anaximandro   (Diels, 12A9). Os primeiros candidatos a elementos   constitutivos das coisas foram substâncias naturais individuais, água ou umidade (Tales; ver Metafísica 983b) e o ar (ver aer  ), mas com a sugestão de Anaximandro de que a arche era algo indeterminado   (apeiron) fora dado um enorme passo no sentido da abstração   afastando-se do puramente sensorial. Abriu a possibilidade de a arche ser algo mais básico do que aquilo que podia ser percepcionado pelos sentidos, embora o apeiron fosse, neste estádio, inequivocamente material. Assim Anaximandro iniciou a linha de investigação que levou ao Uno   simples e esférico de Parmênides   (ver on, hen  ) com a correlativa distinção entre o saber verdadeiro (episteme  ) e a opinião   (doxa), e às archai geométricas e matemáticas dos pitagóricos (ver arithmos  , monas) e aos atonia de Leucipo e Demócrito.

3. Aquilo que se podia chamar a tradição   sensualista continuou a procurar as entidades supremas e irredutíveis nos corpos percepcionados pelos sentidos até que Emipédocles os fixou em quatro, os stoicheia terra  , ar, fogo   e água, mas poucos mais, além de Empédocles  , aceitam estes como verdadeiras archai; eles são antes estádios entre as archai ainda mais remotas e as complexidades superiores dos corpos compósitos (syntheta).

4. A procura das archai toma então um novo rumo. Tanto Parmênides como Empédocles tinham sido categóricos na negação da mudança  , o primeiro atribuindo-a a uma ilusão   dos sentidos, o segundo sustentando a eternidade   dos stoicheia. Mas isso era uma limitação   que a breve trecho foi superada; Anaxágoras   e os atomistas, cada qual à sua maneira, reafirmam a gênesis e assim, também, a possibilidade de que os stoicheia de Empédocles se transformem uns nos outros.

5. Uma nova análise da gênesis feita por Platão e Aristóteles rejeita as velhas noções da mudança   como mistura ou conglomeração ou associação e concentra-se em vez disso — o exemplo tinha sido dado por Anaxágoras (ver frgs. 4, 12) — na velha noção   das «forças» contrárias (ver dynamis  , enantion, pathos  ). Isto está bem dentro da tradição sensualista visto que estas forças podem ser distinguidas pelos sentidos (reduzidas por Aristóteles, De gen. et corr. II, 329b, ao sentido do tacto, haphe  ); mas há também uma inclinação   na direção   do apeiron com o isolamento da outra grande arche da mudança, o substrato indefinido e imperceptível (ver hypokeimenon  , hypodoche  , hyle  ).

6. Esta é, pois, a solução   eventual (entre os «geneticistas»; as versões atomista e pitagórica continuam a florescer) do problema das archai dos corpos físicos: forças opostas, algumas das quais podem atuar (ver poiein  ) enquanto que outras podem ser actuadas (ver paschein  ), um substrato material em que ocorre a mudança e, eventualmente, um iniciador da mudança (ver noûs  , kinoun).

7. Um problema relacionado é o que é posto pela demonstração (apodeixis  ) recuando às suas archai supremas, as primeiras premissas do conhecimento ou os princípios supremos em que assenta um silogismo, Para os platônicos para quem o verdadeiro conhecimento é fundamentalmente inato baseado como é numa visão   pré-natal dos eide (ver anamnesis  , palingenesia  ), o problema é de pouca importância, excepto talvez na teoria   posterior   da dialética onde toda a aproximação da anamnesis ao conhecimento tende a recuar à origem   (ver dialektike  ).

Quanto ao sensualista que funda todo o conhecimento na percepção sensorial, ele é forçado, pela validação das premissas do conhecimento noético, a identificar a aisthesis   e a noesis (assim os atomistas, embora Epicuro   se afaste um pouco com a sua noção de «auto-evidência»; ver enargeia), ou a ligar ambas, como fez Aristóteles, com o conceito de intuição (ver epagoge  , noûs).

Para outra orientação do problema das archai dos corpos físicos, ver syntheton  ; para o processo pelo qual as archai se tornam entidades mais complexas, ver gênesis; para a existência de duas archai eticamente opostas, ver kakon  . [Termos Filosóficos Gregos, F. E. Peters  ]