Página inicial > Antiguidade > Brisson-Pradeau: Beleza

Brisson-Pradeau: Beleza

quinta-feira 24 de março de 2022

      

A primeira dificuldade   relativa à definição do belo é aquela da equivocidade: uma bela panela, uma bela jovem e um belo gesto têm algo de comum? A definição do belo pelo prazer da visão   e da audição   é apresentada no Hípias Maior   como um doxa   e bão como i resultado definitivo do diálogo  . O estatuto dóxico deste enunciado é confirmado pelo livro VI dos Tópicos de Aristóteles   que o cita precisamente como um lugar comum (146a 21-23). Sua retomada por Plotino   não se dá sem uma diferença   importante: não é mais questão do prazer e a visão se encontra dissociada da audição: «O belo é sobretudo o que está na visão». D. Susanetti indica com razão   que há aí, destaco, uma hierarquia entre os sentidos (Plotino, Sul Bello, p. 79); mais ainda, a visão desta primeira frase anuncia a contemplação   final do caítulo 9 («tu te tornastes então uma visão», opsis ede genomenos, linhas 22-23). A glosa que propomos: «O belo está sobretudo no que se refere à visão» tende a mostrar que a experiência estética para Plotino vem do encontro de propriedades particulares do objeto visível e de seu modo de aparição na atividade   sensorial própria à alama. Não há preeminência entre os dois   polos que são o objeto visto e a consciência   que vê. A referência à visão e à audição se apoia igualmente sobre o TImeu  , 47a-c onde Platão   justifica a existência destes sentidos por seu papel fundador na descoberta da harmonia   do mundo.