Página inicial > Antiguidade > A psyche em Epicuro

A psyche em Epicuro

quinta-feira 24 de março de 2022

      

27. Para Epicuro   e Lucrécio a alma   é um corpo compósito constituído por vários átomos (D. L. X, 63). Mas esta é uma opinião   afastada do mero agregado de átomos ígneos proposto por Demócrito  . Em primeiro lugar, a noção de corpo fora aperfeiçoada para a de um composto orgânico (concilium; ver holon   10). Em segundo lugar, a relação da alma e do corpo é agora especificada com os atoma da alma que estão espalhados totalmente e contidos dentro do invólucro (stegazon) do corpo (D. L. X, 43, 64). Os atoma que entram na composição da alma já não são apenas «ígneos» mas incluem respiração (pneuma  ) e ar (ver Lucrécio III, 231-236). Há um acrescento mais espantoso, os átomos de um «elemento   não nomeado» que não são semelhantes a quaisquer dos outros mas são mais subtis, mais suaves e mais móveis do que qualquer outra espécie de átomo (D. L. X, 63; Aécio IV, 3, 11; a quarta natura   de Lucrécio III, 241-257). É este último que começa os movimentos que são a sensação   (ver aisthesis 23 e holon 10) e os transmite ao resto do corpo (ibid. III, 262, 281).