Página inicial > Antiguidade > enargeia

enargeia

quinta-feira 24 de março de 2022

    

enárgeia: claridade, auto-evidência

O sensualismo epicurista reduziu todo o conhecimento e toda a verdade   à sensação   (aisthesis) visto que aquilo que é descrito como os três critérios da verdade, aisthesis, prolepsis   e pathos  , é uma forma ou outra da própria sensação (ver pathos) ou o resultado de sensações repetidas (ver prolepsis  ). Assim Epicuro   encontra-se em posição   bastante semelhante à de Aristóteles   quando este começou a falar das premissas fundamentais (archai  ) de um silogismo. Uma vez que não há nada mais básico do que as archai de um silogismo, como é que se vai estabelecer a sua validade sem recorrer a um argumento   circular? E tal como Aristóteles recorre à compreensão   intuitiva das archai (ver epagoge  , nous), também Epicuro faz com que a aisthesis sirva como garantia da sua própria validade e isto em virtude   da sua natureza clara e auto-evidente   (enargeia; ver D. L. X, 38, 48, 52; Sexto Empírico, Adv. Math. VII, 216), qualidade que está também presente   na prolepsis (D. L. X, 33).

Para a extensão   do juízo   para além da evidência clara dos sentidos e da consequente possibilidade de erro  , ver doxa  . [Termos Filosóficos Gregos, F. E. Peters  ]