Página inicial > Antiguidade > Aristóteles (384 aC – 322 aC) > Alexandre de Afrodísias (AD:C13) – por nossa conta

The Philosophy of the Commentators, 200-600 AD

Alexandre de Afrodísias (AD:C13) – por nossa conta

Up to us and responsibility

sábado 8 de janeiro de 2022, por Cardoso de Castro

The Philosophy of the Commentators, 200-600 AD: A Sourcebook. Vol. 1: Psychology

tradução

(1) Alexandre de Afrodísias On Fate 15, 185,7-11

Confiar no argumento de que "se nas mesmas circunstâncias alguém age agora desta maneira e agora de outra, moção sem uma causa é introduzida" e, por esta razão, dizer que ninguém pode fazer o oposto do que fará – não pode isto também ser um descuido como os já mencionados?

(2) Alexandre de Afrodísias On Fate 10, 176,21-2

Pois as causas do advir dos opostos destas coisas de acordo com o fado também são também as causas destas coisas que não virem a ser, se, como dizem, é impossível que os opostos venham a ser nas mesmas circunstâncias.

(3) Alexandre de Afrodísias On Fate 22, 192,22-5

Existem, portanto, vários tipos de causa, e dizem que é igualmente verdade para todas elas que é impossível que, quando todas as circunstâncias são iguais, cercando tanto a causa quanto isso para o qual é uma causa, as coisas deveriam às vezes não se dar de uma maneira particular e às vezes deveriam. Pois se isso acontecer, haverá algum movimento sem uma causa.

(4) Alexandre de Afrodísias (?) Mantissa 174,3-12

Dizer que, quando todas as circunstâncias externas forem semelhantes, (1) alguém escolherá, ou mesmo fará, as mesmas coisas ou (2) algo ficará sem causa e, dentre estes (2), que algo deveria vir a ser sem causa é impossível, enquanto (1) que [alguém] escolhe as mesmas coisas quando as circunstâncias são as mesmas, mostra que as causas externas têm controle sobre as coisas que fazemos – isto não é convincente. Pois nem é necessário que uma pessoa sempre escolha as mesmas coisas quando todas as circunstâncias são iguais, nem a ação sem uma causa, se não vir a ser da mesma maneira. Pois a deliberação, a escolha, a decisão e a pessoa são a causa da ação desse tipo, [e a pessoa], tendo em si o poder de deliberar sobre as circunstâncias, também tem a capacidade de não fazer a mesma escolha desde as mesmas coisas.

Original

(1) Alexander On Fate 15, 185,7-11

To rely on the argument that ‘if in the same circumstances someone acts now in this way and now in another, motion without a cause is introduced’, and for this reason to say that no one can do the opposite of what he will do — may this too not be an oversight like those already mentioned?

(2) Alexander On Fate 10, 176,21-2

For the causes of the coming to be of the opposites of these things in accordance with fate are also the causes of these things’ not coming to be, if, as they say, it is impossible for opposites to come to be in the same circumstances.

(3) Alexander On Fate 22, 192,22-5

There are, then, several sorts of cause, and they say that it is equally true of all of them that it is impossible that, when all the circumstances surrounding both the cause and that for which it is a cause are the same, things should sometimes not turn out in a particular way and sometimes should. For if this happens there will be some motion without a cause.

(4) Alexander(?) Mantissa 174,3-12

To say that, when all the external circumstances are similar, either (1) someone will choose, or even do, the same things or (2) something will be without a cause, and that of these (2), that something should come to be without a cause, is impossible, while (1), that [someone] chooses the same things when the circumstances are the same, shows that the external causes have control over the things that we do - this is not sound. For neither is it necessary for a person always to choose the same things when all the circumstances are the same, nor is the action without a cause, if it does not come about in the same way. For the deliberation and the choice and the decision and the person are the cause of action of this sort, [and [305] the person], having in himself the power of deliberating about the circumstances, has also the ability not to make the same choice from the same things. [SorabjiPC1  :305-306]


Ver online : Alejandro de Afrodisias. Acerca del alma & Acerca del destino. Biblioteca Clásica Gredos - 406