Página inicial > Antiguidade > Sorabji (Self:32-34) – variedades do Si e desenvolvimento filosófico da (...)

SELF

Sorabji (Self:32-34) – variedades do Si e desenvolvimento filosófico da ideia

Ancient and Modern Insights about Individuality, Life, and Death

terça-feira 4 de janeiro de 2022, por Cardoso de Castro

      

SORABJI  , Richard. SELF. Ancient and Modern Insights about Individuality, Life, and Death. Chicago: University of Chicago Press, 2006, p. 32-34.

      

Eles [os pensadores antigos] frequentemente expressam essas ideias de "si mesmo  " assim como fazemos, pelo uso de pronomes. Eles falam de ’eu’, ’nós’, ’cada’, o reflexivo ’nós mesmos’ (heautos) ou o enfático ’ele mesmo’ (autos  ), ou (Leis de Platão   959B3) ’aquilo que é cada um nós verdadeiramente ’. Onde autos é usado sem um substantivo   que o acompanha, às vezes exige ser traduzido pelo inglês ’Self’ [Si mesmo], e às vezes é combinado com hekastos, significando cada self [si].


As respostas que estão mais afastadas das que eu favoreci são provavelmente as da tradição   platônica. Sócrates   que aguarda execução é representado no Fédon 115C de Platão, oferecendo a seus amigos a garantia de que não sou   meu corpo, mas minha alma   racional, que continuará e florescerá melhor sem um corpo. Em sua República  , Platão introduz partes não racionais da alma e também a parte racional, e as partes às vezes são tratadas não apenas como aspectos pertencentes a um único sujeito, mas como sujeitos por direito próprio  . No Fédon, República livro 9, e, se dele for, o Primeiro Alcibíades  , Platão trata a razão   ou o intelecto como se constituísse a essência   da pessoa  . Ao fazer isso, Platão pode ser visto como tratando a razão ou o intelecto como o verdadeiro si. É certo que é apenas a discussão no Fédon 115C que exige expressão   em termos de ’eu’. Mas essa discussão está intimamente relacionada à da República 9, que é apresentada em termos não de mim, mas do que é o humano interior   (anthropos  ). As duas discussões, e a do Primeiro Alcibíades, estão tão intimamente relacionadas que seria artificial dizer que a primeira era sobre si mesmo, mas as outras não. Plotino  , seguindo Platão, também acredita em sis que existem, e existem melhor, sem corpo, e ele tem uma série deles que ele também trata não como aspectos de um único sujeito, mas como sujeitos por direito próprio. O mesmo se aplica à interpretação   platônica de Temístio de Aristóteles   como endossando a imortalidade dos intelectos humanos individuais sem corpos, e das interpretações platonistas da vida após a morte de Heracles de Homero  , cujo ’eu mim mesmo’ é interpretado como intelecto e como essência desencarnada.
O si nos filósofos antigos raramente é idêntico à alma. Às vezes, ele está conectado a apenas um aspecto da alma, sua razão ou vontade, por exemplo, ou uma parte da alma a ser distinguida da sombra ou do fantasma. Mais uma vez, nas teorias da reencarnação, a mesma alma pode ser tomada emprestada sucessivamente por pessoas completamente   diferentes, superando qualquer si e não pode, portanto, ser idêntica a ele. Às vezes, o si é o corpo, ou inclui o corpo junto com toda a pessoa.

Ver online : SELF. Ancient and Modern Insights about Individuality, Life, and Death