Página inicial > Modernidade > Harman (TB:1-2) – ente-ferramenta

Harman (TB:1-2) – ente-ferramenta

sexta-feira 15 de outubro de 2021, por Cardoso de Castro

Excerto de HARMAN, Graham. Tool-Being. Heidegger   and the Metaphysics of Objects. Chicago: Open Court, 2002, p. 1-2

português

A chave para meu argumento está em uma nova leitura da famosa analítica da ferramenta de Ser e Tempo. Embora centenas de estudiosos já tenham comentado essa análise magistral, não conheço ninguém que tenha tirado conclusões suficientemente radicais dela. Dos poucos intérpretes que estavam dispostos a dar o centro do palco ao drama do ente-ferramenta, todos seguiram Heidegger   muito de perto ao considerar o Dasein humano como a maior estrela do teatro. A analítica da ferramenta é lida como o triunfo da atividade prática sobre a abstração teórica ou da rede de sinais linguísticos sobre as sempre impopulares “coisas em si”. Tais leituras de Heidegger   prevalecem entre os filósofos analíticos e continentais. Contra essas leituras padrão, afirmo que a analítica da ferramenta não é uma teoria da linguagem e da práxis humana, nem uma fenomenologia de um pequeno número de dispositivos úteis chamados "ferramentas". Em vez disso, o relato de equipamento de Heidegger   dá origem a uma ontologia de objetosHeidegger geralmente usa o termo "objeto" em um sentido pejorativo específico que difere de seu uso mais positivo do termo "coisa". Para ele, o objeto é a coisa reduzida ao correlato de uma representação. Eu escolho não seguir esse uso, pois o termo “objeto” é velho o suficiente e flexível o suficiente para que não mereça ser sacrificado por seus preconceitos.. Ao contrário da visão usual, o ente-ferramenta não descreve objetos, na medida em que são instrumentos úteis empregados para fins humanos. Muito pelo contrário: pronto-à-mão (Zuhandenheit) refere-se a objetos na medida em que eles se retiram da visão humana para uma realidade subterrânea sombria que nunca se torna presente à ação prática, assim como à consciência teórica. Isso já contraria as leituras usuais de Heidegger  , uma vez que nega desde o início que a analítica da ferramenta nos diz algo sobre a diferença entre teoria e práxis. O que está em jogo primeiro é um abismo absoluto entre as coisas e qualquer interação que possamos ter com elas, independentemente desta interação ser intelectual ou meramente manipuladora.

Mas meu argumento vai mais um passo adiante. Quando as coisas se afastam da presença adentro de sua realidade subterrânea escura, elas se distanciam não apenas dos humanos, mas também umas das outras. Se a percepção humana de uma casa ou árvore é sempre assombrada por algum excedente oculto nas coisas que nunca se tornam presentes, o mesmo se aplica à pura interação causal entre rochas ou gotas de chuva. Mesmo coisas inanimadas apenas desvendam a realidade um do outro, reduzindo-se mutuamente a caricaturas. Será mostrado que, mesmo que as rochas não sejam criaturas sencientes, elas nunca se encontram em seu sendo mais profundo, mas apenas como presente-à-mão; é apenas a confusão de Heidegger   de dois sentidos distintos da estrutura-como que impede que esse resultado estranho seja aceito.

Mas isso significa que, ao contrário do pressuposto dominante da filosofia desde Kant  , o verdadeiro abismo na ontologia não reside entre os humanos e o mundo, mas entre objetos e relações. Além disso, essa dualidade é igualmente verdadeira para todas as entidades do cosmos, sejam naturais, artificiais, orgânicas ou totalmente humanas. Se lermos a analítica da ferramenta de Heidegger   da maneira correta, a prioridade remanescente de Dasein em sua filosofia será vaporizada, e encontraremos um mundo novo e estranho, repleto de possibilidades chocantes para a filosofia do século XXI. Certamente, Heidegger   lida com outra ferida mortal à metafísica do tipo antiquado, o tipo que é golpeado e espancado ainda mais por Derrida  , Wittgenstein   e outros. Mas, pelo mesmo golpe, ele sugere, sem saber, uma possível campanha de metafísica guerrilheira. Os entes-ferramenta acabam sendo uma variante estranha das substâncias tradicionais, embora sejam tão irredutíveis às partículas físicas quanto aos traços que deixam na percepção humana. São substâncias que excedem todas as relações nas quais possam entrar, sem serem peças finais de matéria minúscula. Mas isso deixa apenas uma possibilidade: pela primeira vez em muito tempo, Heidegger   leva a filosofia a um ponto em que não tem escolha a não ser oferecer uma teoria renovada de formas substanciais. As razões para essa alegação incomum ficarão mais claras para o leitor à medida que o livro avança.

O resultado de tudo isso é que, apesar de suas proposições brilhantes ao contrário, Heidegger   acidentalmente incita uma nova era da metafísica. Por conseguinte, estamos finalmente em posição de nos opor à longa ditadura dos humanos na filosofia. O que emerge em seu lugar é um cosmo fantasmagórico no qual humanos, cães, carvalhos e tabaco têm exatamente o mesmo pé que garrafas de vidro, forquilhas, moinhos de vento, cometas, cubos de gelo, ímãs e átomos. Em vez de exilar objetos para as ciências naturais (com as habituais emoções mistas de condescendência e medo), a filosofia deve despertar seu talento perdido para desencadear as forças envolvidas presas nas próprias coisas. Acredito que essa deve ser a preocupação central da filosofia do século XXI. O objetivo deste livro é esboçar uma teoria orientada a objetos que possa ajudar a resolver essa preocupação.

Original

The key to my argument lies in a fresh reading of the famed tool-analysis of Being and Time. Although hundreds of scholars have already commented on this masterful analysis, I am not aware of any who have drawn sufficiently radical conclusions from it. Of the few interpreters who have been willing to give center stage to the drama of tool-being, all have followed Heidegger   too closely in regarding human Dasein as the biggest star in the theater. The tool-analysis is read as the triumph either of practical activity over theoretical abstraction, or of the network of linguistic signs over the ever unpopular “things in themselves.” Such readings of Heidegger   prevail among both analytic and continental philosophers. Against these standard readings, I claim that the tool-analysis is neither a theory of language and human praxis, nor a phenomenology of a small number of useful devices called “tools.” Instead, Heidegger  ’s account of equipment gives birth to an ontology of objects themselves.1 Contrary to the usual view, tool-being does not describe objects insofar as they are handy implements employed for human purposes. Quite the contrary: readiness-to-hand (Zuhandenheit) refers to objects insofar as they withdraw from human view into a dark subterranean reality that never becomes present to practical action any more than it does to theoretical awareness. This already runs counter to the usual readings of Heidegger  , since it denies from the start that the tool-analysis tells us anything about the difference between theory and praxis. What is first at stake is an absolute gulf between the things and any interaction we might have with them, no matter whether that interaction be intellectual or merely manipulative.

[2] But my argument goes another step further. When the things withdraw from presence into their dark subterranean reality, they distance themselves not only from human beings, but from each other as well. If the human perception of a house or tree is forever haunted by some hidden surplus in the things that never becomes present, the same is true of the sheer causal interaction between rocks or raindrops. Even inanimate things only unlock each other’s realities to a minimal extent, reducing one another to caricatures. It will be shown that, even if rocks are not sentient creatures, they never encounter one another in their deepest being, but only as present-at-hand; it is only Heidegger  ’s confusion of two distinct senses of the as-structure that prevents this strange result from being accepted.

But this means that, contrary to the dominant assumption of philosophy since Kant  , the true chasm in ontology lies not between humans and the world, but between objects and relations. Moreover, this duality holds equally true for all entities in the cosmos, whether natural, artificial, organic, or fully human. If we read Heidegger  ’s tool-analysis in the right way, the lingering priority of Dasein in his philosophy is vaporized, and we encounter a strange new world filled with shocking possibilities for twenty-first-century philosophy. Certainly, Heidegger   deals yet another mortal wound to metaphysics of the old-fashioned kind, the kind that is slapped and pummeled still further by Derrida  , Wittgenstein  , and others. But by the same stroke, he unknowingly suggests a possible campaign of guerilla metaphysics. Tool-beings turn out to be a strange variant of traditional substances, though they are as irreducible to physical particles as they are to the traces they leave in human perception. They are substances that exceed every relation into which they might enter, without being ultimate pieces of tiny matter. But this leaves only one possibility: for the first time in a long while, Heidegger   pushes philosophy to the point where it has no choice but to offer a renewed theory of substantial forms. The reasons for this unusual claim will become clearer to the reader as the book progresses.

The result of all this is that, despite his glaring statements to the contrary, Heidegger   accidentally incites a new age of metaphysics. Accordingly, we are finally in a position to oppose the long dictatorship of human beings in philosophy. What emerges in its place is a ghostly cosmos in which humans, dogs, oak trees, and tobacco are on precisely the same footing as glass bottles, pitchforks, windmills, comets, ice cubes, magnets, and atoms. Instead of exiling objects to the natural sciences (with the usual mixed emotions of condescension and fear), philosophy must reawaken its lost talent for unleashing the enfolded forces trapped in the things themselves. It is my belief that this will have to be the central concern of twenty-first-century philosophy. The purpose of this book is to sketch an object-oriented theory that can help address this concern.


Ver online : Tool-Being. Heidegger and the Metaphysics of Objects.