Página inicial > Arte e Simbolismo > Literatura > Lispector (PSGH): Deus

Lispector (PSGH): Deus

terça-feira 16 de junho de 2020

Quanto mais precisarmos, mais Deus? existe. Quanto mais pudermos, mais Deus teremos. Ele deixa. Ele não nasceu para nós, nem nós nascemos para Ele; nós e Ele somos ao mesmo? tempo?.

Ele está ininterruptamente ocupado em ser, assim como todas as coisas? estão sendo?, mas Ele não impede que a gente se junte a Ele e, com Ele, fique ocupado em ser, numa intertroca tão fluida e constante - como a de viver. Ele, por exemplo?, Ele nos usa totalmente porque não há? nada? em cada um de nós de que Ele, cuja necessidade? é absolutamente infinita?, não precise. Ele nos usa, e não impede que a gente faça uso? Dele. O minério que está na terra? não é responsável por não ser usado.

Na vida? e na morte? tudo é lícito, viver é sempre uma questão? de vida-e-morte.

[Excerto de "A Paixão? Segundo GH"]