Página inicial > Arte e Simbolismo > Hermenêutica > Lakoff Metafora

Lakoff Metafora

terça-feira 22 de março de 2022

Lakoff   - Sobre "metáfora"

A partir das idéias mentoras do chamado “segundo Wittgenstein  ”, vários trabalhos de psicologia cognitiva têm sido desenvolvidos, culminando no que poderíamos denominar a “revolução Roschiana”, seguida e elaborada entre outros por George Lakoff   e Mark Jonhson.

A antropóloga Eleonore Rosch, que deu nome à mencionada revolução, tem sido a força principal sob as dramáticas mudanças que vêm ocorrendo dentro das chamadas ciências cognitivas. Suas considerações a respeito do papel das metáforas na constituição de nosso sistema conceitual, enfrentaram os preconceitos da teoria clássica que, desde Aristóteles dominavam o entendimento de nosso processo de categorização.

De forma mais geral, sua investigação sobre a questão da categorização humana, e por conseguinte, da visão de mente e razão humanas, abalou pressupostos e reabilitou o papel da imaginação na configuração de nossas formas de pensar e de agir. (Varela  , Rosch & Thompson, 1993)

A metáfora é para a maior parte dentre nós um procedimento da imaginação poética e do ornamento retórico, ela concerne os usos extraordinários da linguagem mais que os ordinários. Além disto, a metáfora é percebida como característica da linguagem, como concernindo as palavras mais que o pensamento ou a ação. Por esta razão, a maior parte das pessoas pensam que podem muito bem independer de metáforas. Nós nos demos conta do contrário que a metáfora está presente por todos os lugares na vida de todos os dias, não somente na linguagem, mas no pensamento e na ação. Nosso sistema conceitual ordinário, que nos serve para pensar e agir, é de natureza fundamentalmente metafórico. (Lakoff   & Johnson, 1985, p. 13)

Para Lakoff   e Johnson, nosso sistema conceitual não costuma ser algo que normalmente tenhamos consciência, pois pensamos e agimos de forma mecânica na maior parte de nossos pequenos atos da vida cotidiana, em geral seguindo certas linhas de conduta que não se deixam facilmente apreender. Mas para eles um meio de se investigar este sistema conceitual é considerar a linguagem. “Como a comunicação está fundada sobre o mesmo sistema conceitual que utilizamos pensando e agindo, a linguagem nos fornece importantes testemunhos sobre a maneira que aquele funciona.”

A hipótese de Lakoff   e Johnson é que a metáfora não é apenas questão de linguagem ou de palavras. Ao contrário, os processos do pensamento humano é que são em grande parte metafóricos, ou seja o sistema conceitual humano é estruturado e definido metaforicamente, possibilitando assim metáforas também na linguagem que utilizamos.

O que era uma hipótese de trabalho nos anos 80, desde então, foi sendo fundamentada como tese, sob o nome de realismo experimental, por Lakoff   (1987) e Johnson (1987) individualmente. Esta hipótese não é de todo fortuita, pois já vinha assentada sobre uma série de contribuições anteriores, das quais podemos citar no campo da filosofia, Wittgenstein   e wp-en:Richard_Rorty, e no campo da psicologia cognitiva, Eleanore Rosch.

Foi, de certa forma, como já dissemos, a crítica ao “objetivismo” dentro da filosofia da ciência que fundamentou, em grande parte, a pesquisa sobre o papel das metáforas, também na formação de nosso sistema conceitual. Se tomarmos as considerações feitas por Lakoff   (1987), a visão clássica que sustenta o objetivismo, parte de alguns princípios contestáveis, inclusive pela pesquisa recente nas ciências cognitivas:

  • o pensamento é uma manipulação mecânica de símbolos abstratos; a mente é uma máquina abstrata, manipulando símbolos essencialmente da mesma maneira que um computador faz, ou seja, por computação algorítmica;
  • símbolos (palavras e representações mentais) adquirem seu significado em correspondência com as coisas no mundo externo; símbolos que correspondem ao mundo externo são representações internas da realidade externa; símbolos abstratos podem ficar em correspondência com as coisas no mundo independentemente das propriedades peculiares de qualquer organismo, onde se tenham fundamentado;
  • como a mente humana faz uso de representações internas da realidade externa, a mente é um espelho da natureza, e a razão espelha a lógica do mundo externo; é, portanto, incidental à natureza da razão, os seres humanos terem os corpos que têm e funcionarem em seus ambientes da maneira que fazem; o pensamento é abstrato e desincorporado pois é independente de qualquer limitação do corpo humano, do sistema preceptivo humano e do sistema nervoso humano;
  • maquinas que fazem mais do que manipular símbolos que correspondem às coisas no mundo são capazes de apresentar um pensamento significativo e uma certa razão; isto porque o pensamento é atomístico, divisível em blocos - símbolos utilizados no pensar - que são combinados em complexos e manipulados por regras;
  • o pensamento é lógico, no sentido estreito usado pelos Lógicos, ou seja, pode ser modelado por sistemas formais, do tipo dos que usam a lógica matemática; muito da discussão atual sobre a mente humana, como um maquina computacional, se assente sobre esta faceta do objetivismo.

Para Lakoff   (1987), a idéia de categoria conceitual está no centro dessas questões. Com efeito a maior parte dos símbolos, enquanto palavras e representações mentais, designam categorias no mundo real ou em algum mundo possível. Ou, no dizer de Wittgenstein   (1953), designam “famílias” que como tal guardam certo “ar de semelhança” entre seus membros.

Assim sendo, é possível supormos que o mundo deve estar dividido em categorias, de tal forma que os símbolos e as estruturas simbólicas possam se referir a elas. Porém, é justamente no entendimento destas categorias conceituais, é que vão diferir as visões e atual, pois esta última considera:

  • o pensamento como incorporado e imaginativo, empregando metáforas, metonímias e imagens mentais;
  • o pensamento como tendo propriedades que o levam a considerar os fenômenos não mais como soma de elementos por isolar, analisar e dissecar, como na visão atomística, mas como conjuntos que constituem unidade autônomas, manifestando uma solidariedade interna e possuindo leis   próprias, donde resulta que o modo de ser de cada elemento depende da estrutura do conjunto e das leis   que o regem, não podendo nenhum dos elementos preexistir ao conjunto;
  • o pensamento tem uma estrutura ecológica, que gira, em grande parte, ao redor da estrutura do sistema conceitual, fundado no poder da imaginação; por conseguinte o pensamento é mais do que uma simples manipulação mecânica de símbolos abstratos.