Página inicial > Antiguidade > Salmo C

Salmo C

terça-feira 29 de março de 2022

    

Mateus Soares
SALMO   C

Qualidade   que deve ter um bom rei

1 Salmo do mesmo David. Eu cantarei a misericórdia   e a justiça. Senhor, eu vos entoarei salmos,

2 e procurarei conhecer o caminho da perfeição, quando vieres a mim. Eu caminhava na inocência do meu coração  , no meio da minha casa  .

3 Eu não punha diante dos meus olhos coisa injusta ; aborrecia os que cometiam prevaricações. Não se unia a mim

4 coração depravado ; o mau afastava-se de mim, e eu não o conhecia.

5 Ao que secretamente dizia mal do seu próximo, eu o perseguia. Com homem   de olhos soberbos e de coração insaciável, com esse não comia,

6 Os meus olhos só buscavam na terra   os fiéis, para que se sentassem comigo ; o que andava por um caminho inocente, esse me servia.

7 Não habitará na minha casa o que procede com soberba ; o que diz coisas iníquas não pôde tornar-se agradável aos meus olhos.

8 Pela manhã exterminava todos os pecadores da terra, a fim de suprimir da cidade do Senhor todos os que cometem a iniquidade.


André Chouraqui   101. A Estrada dos Íntegros [1]

1 De David. Canto   [2]. Poetizo o bem-querer, o julgamento   [3]; para ti, IHWH, eu canto.

2 [4] Sou   perspicaz [5] na estrada dos íntegros. Quando virás a mim? [6] Vou [7] na integridade de meu coração, no seio de minha casa.

3 [8] Não coloco contra meus olhos a palavra   de Beli’ya’al [9]. Odeio o fazer [10] dos desviadores; ele não cola em mim.

4 O coração tortuoso se afasta de mim; não conheço o mal [11].

5 Quem calunia em segredo seu companheiro, este, eu o aniquilo. Os olhos soberbos, o coração envaidecido, deste estou cansado [12].

6 Meus olhos estão sobre os fiéis da terra que habitam comigo, indo pela estrada dos íntegros: estes me servem [13].


Cristologia - Padres Obras de San Jerónimo, I, Obras Homiléticas, Biblioteca de Autores Cristianos (BAC), Madrid, 1999, 1.037 p., edición bilingüe promovida por la Orden de San Jerónimo, introducción general de Juan Bautista Valero, traducción, introducción y notas de Mónica Marcos Celestino ISBN 84-7914-403-3

Tradução de Antonio Carneiro das páginas 389 e 391

Tratado de S. Jerônimo sobre o Livro de Salmos. Serie Primeira

Salmo C

Em tua honra  , Senhor, cantarei tua misericórdia e teu juízo (Sal 100,1). Prestem atenção   à este canto para misericórdia dos pecadores que desesperam por sua salvação   e aqueles que fazem penitência; atentem no juízo aqueles que o menosprezam dizendo: "O Senhor é misericordioso: pequemos, porque Ele nos perdoará".

Entoarei salmos e porei meu entendimento na via sem mancha (Sal 100,2). Que exercite seu entendimento quem entoa salmos e que sua inteligência   trate de desentranhar o que canta, a fim de que sua mente   não vague errante, para não parecer que está fisicamente salmodiando, mas seu espírito   não consegue tirar usufruto algum. Na via sem mancha : que obres com justiça enquanto caminha por este mundo e fique livre de mácula.

Quando virás a mim ? (Sal 100,2). Quando tenha recebido o conhecimento e obrado com justiça poderei dizer-lhe ao Senhor com toda confiança  : "Quando virás a mim?" Esse virás tem que entendê-lo como se referindo à segunda vinda.

No meio de minha casa, caminhava com pureza   de coração (Sal 100,2). Nada compraz à Deus   tanto quanto a simplicidade e a inocência. O Espírito Santo   não mostrou sua complacência por outras aves senão na pomba pela própria simplicidade, e nos quadrúpedes na ovelha pela própria mansidão  .

Não punha diante meus olhos coisa injusta (Sal 100,3). Não antepunha nada antes do Senhor, nenhuma concessão para iniquidade; era todo pertencente à Deus. Os que faziam prevaricações me odiavam. Fosse meu pai  , fosse minha mãe, fosse meu irmão e também minha irmã, fosse amigo: se tivesse se declinado do temor à Deus, me resultava odioso e não me aproximava dele de modo algum. Não antepunha o parentesco ou a amizade   diante da piedade devida à Deus.

Não se aderiu a mim o coração depravado (Sal 100,3-4). Não havia em mim nada reprovável ou perverso, mas sim equidade e justiça. O malvado se afastava de mim, de modo que eu não lhe conhecia. Quer dizer, se um amigo ou parente meu, fosse bispo ou presbítero ou revestido de qualquer autoridade  , se afastava do caminho reto  , eu, por minha vez, me afastava dele, até o ponto de apagá-lo por completo   de minha memória.

Perseguia a quem veladamente difamava seu próximo (Sal 100,5). Não convém prestar ouvidos ao difamador; ou mais, na medida em que esteja em nossas mãos, persigamos a quem faz isso, buscando nisso um duplo benefício: não escutá-lo entusiasmadamente, nem permiti-lo pecar. A distância existente entre quem fornica e quem denigra é tão grande que, enquanto o fornicador mata a si mesmo  , o difamador arruína a si mesmo e a quem lhe presta ouvidos.

Não comia em companhia de homem de olhar altivo e coração insaciável (Sal 100,5). Jamais comia com quem fosse soberbo ou avaro.

Meus olhos se fixam nos fiéis da terra, para que se sentem comigo (Sal 100,6). Não se refere a ricos, imperadores, bispos, presbíteros ou diáconos, mas sim aos fiéis: era com eles com quem se sentava. Em idêntico sentido pode também dizer o mesmo um bispo que seja um santo varão: "não ordenava sacerdote a quem se mostrava complacente comigo ou fosse um parente meu, mas sim quem sabia que era fiel". E inclusive pode acrescentar: "considero fiéis a todos meus clérigos e paroquianos". Este versículo pode também atribuir-se à pessoa   do Senhor. servidor meu era quem caminhava por uma senda sem mancha. Porque não ordenava como sacerdotes   a quem me eram chegados, mas sim aos justos e fiéis.

Não se erguerá diante de meus olhos quem fala iniquidades (Sal 100,7). De tal modo me distanciava do detrator de seu próximo que nem dava crédito à suas palavras nem lhe prestava atenção.

Pela manhã fazia perecer todos os pecadores da terra (Sal 100,8). Atinadamente alude aos pecadores da terra, pois os pecadores são terrenos. Quer com isso dizer que, sem dar-lhes acolhida, arrojava de meu coração as insinuações que o demônio me sugeria; pois quando se expulsam os maus pensamentos, os demônios perecem. Os judeus que ouvem este versículo, pegando a letra   que mata, desejosos de derramar sangue  , dão morte a quem se afasta da lei. Não satisfeitos com o assassinato dos profetas, crucificaram também o próprio   Senhor. Para erradicar da cidade do senhor a todos os que praticam a iniquidade. Oxalá também nós erradiquemos da cidade do Senhor a quem pratica a iniquidade. A cidade do Senhor é a Igreja   dos santos, a assembleia dos justos. Para erradicar, quer dizer: para convencer e corrigir ao que peca, a fim de que faça penitência e erradique a iniquidade de seu coração. Não foi dito "para expulsar".



[1Este poema, escrito por ou para um rei, data provavelmente da época real (1000-587/6 a.C.), sem que se possa, por seu conteúdo ou sua linguagem, precisar mais. O rei-messias, no reinado de paz, exprime sua relação com IHWH e com os homem: seu reinado é o da graça e da justiça.

[2Kimhi: Na solidão, o rei-messias é habitado pelo Espírito Santo e canta a graça e o juízo que Elohims põe nele para julgar seu povo.

[3o bem-querer, o julgamento: O amor e a justiça, virtudes cardeais dos reis, emanam de IHWH e estão na fonte da poesia e do canto.

[4Após ter definido seu caminho de bem-querer e de justiça, o poeta faz seu exame de consciência.

[5Sou perspicaz: E possível que a expressão corresponda simetricamente a poetizo (...) canto, o poeta referindo-se aos perspicazes (ver os salmos 32,42, 44,45,52 a 55, etc.), que são cantos didáticos em relação aos quais ele se situa diante de IHWH

[6Quando virás a mim?: Sem ti estarei privado, vazio, incapaz de responder ao apelo do amor e da justiça.

[7Vou: Contrariamente ao costume dos reis, minha casa não é um lugar de opressão ou de orgia. Estou integralmente e de todo o meu coração junto a ti, mesmo no segredo de minha morada.

[8A inocência perfeita ignora e exclui o mal: ela o revela a si mesmo e o faz retornar ao nada de que provém.

[9de Beli’ya’al (Belial): O Inútil, um ídolo que devia ter adeptos no séquito do rei. Ver SI 8,5; 41,9; Dt 13,14; 15,9. Esse termo aparece vinte e sete vezes na Bíblia.

[10Odeio o fazer: Fórmula de abjuração que repudia o culto aos ídolos, o dos "desviacionistas". No palácio dos reis de Iehouda, em Ramal Raheel, quatro quilômetros ao sul de Jerusalém, escavações feitas de 1954 a 1962 permitiram descobrir estátuas da deusa cananéia da fertilidade, Astarte. É o culto idólatra que o poeta aqui repudia.

[11Forte como uma rocha, mas transparente em sua retidão, o poeta vive num meio em que o mal triunfa, sem, contudo, se deixar penetrar por ele.

[12As virtudes de amor e dejustiça não são somente as que o rei-poeta exige para si mesmo; são as que ele impõe a seu séquito.

[13Os amigos do poeta, os servidores do rei, os que habitam com ele e o servem devem aderir a IHWH e à sua Torá com o coração íntegro.