PhiloSophia

PHILO = Apreço + SOPHIA = Compreensão

Página inicial > Modernidade > Schopenhauer, Arthur (1788-1860) > Schopenhauer (MVR2:20-22) – diálogo entre sujeito e matéria

O mundo como vontade e como representação. Segundo Tomo.

Schopenhauer (MVR2:20-22) – diálogo entre sujeito e matéria

Suplementos Livro I Capítulo 1

terça-feira 14 de setembro de 2021

[Excerto de SCHOPENHAUER  , Arthur. O mundo como vontade e como representação. Segundo Tomo. Suplementos aos quatro livros do primeiro tomo. Tradução, Apresentação, Notas e índices Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2015, p. 20-22]

O Sujeito? — Eu sou?, e fora de mim nada? existe. Pois o mundo? é minha representação?.

A Matéria? — Que arrogância néscia! Eu?, eu sou, e fora de mim nada existe. Pois o mundo é minha forma? transitória. Tu és um simples? resultado de uma parte? dessa forma e és totalmente contingente?.

O Sujeito — Que disparate! Nem tu nem tua forma existiríam sem MIM: vós sois condicionados por mim. Quem me abstrai, e ainda assim acredita poder pensar?-vos, enreda-se numa grande ilusão?: pois vossa existência? fora de minha representação é uma contradição? flagrante, um síderoxylon, [1] vosso SER significa unicamente que sois representado por mim. Minha representação é o lugar? de vossa existência: por conseguinte, eu sou a primeira condição? dela.

A Matéria — Felizmente a presunção? da tua assertiva logo será contradita de uma maneira real? e não por meras palavras?. Mais alguns instantes e... tu de fato? não existirás mais, estarás naufragado no nada com todo o teu palavrório, terás, como uma sombra desaparecido e sofrido a fatalidade? de cada uma de minhas formas transitórias. Eu, entretanto, permaneço, sem feridas e conservada, de milênio em milênio, pelo tempo? infinito?, e assisto inabalável ao jogo? de mudança? de minhas formas.

O Sujeito — Esse? tempo infinito de que te gabas viver, existe, como o espaço? infinito que tu preenches, meramente em minha representação, sim, é simples forma de minha representação, que trago pronta em mim, na qual tu te expões, forma que te acolhe e pela qual tu unicamente existes. A aniquilação, entretanto, com a qual me ameaças, não atinge a MIM; do contrário serias aniquilada COMIGO: antes, ela atinge apenas o indivíduo?, que por curto espaço de tempo é meu sustentáculo e é por mim representado, como tudo o mais.

A Matéria — Mesmo que eu te conceda isso e resolva considerar a tua existência, que em realidade? está ligada inseparavelmente a esses indivíduos transitórios, como algo que persiste por si mesmo, ainda assim ela permanece dependente da minha, Pois tu és sujeito só na medida? em que tens um objeto?: e esse objeto sou eu. Eu sou o núcleo e conteúdo desse objeto, o permanente nele, o que lhe dá unidade? e coesão, sem o que ele seria tão inconsistente e desapareceria tão vaporosamente como os sonhos e as fantasias dos teus indivíduos, ainda que eles mesmos tenham haurido de mim o seu conteúdo aparente?.

O Sujeito — Fazes bem em não quereres disputar sobre a minha existência, pelo fato de ela estar? ligada a indivíduos: pois tão inseparavelmente quanto eu estou atado a estes, estás tu a tua irmã, a forma, e jamais terias aparecido sem ela. Tanto tu quanto eu, despojados e isolados, nunca fomos vistos por olho? algum: pois nós dois não passamos de abstrações. Há no fundo UM ser que se intui a si mesmo e é por si mesmo intuído, mas cujo ser em si não consiste no intuir? nem no vir-a-ser-intuído, já que isto é repartido entre nós.

Ambos — Desse modo?, então, estamos inseparavelmente atados como partes necessárias de um todo, que nos abrange e que não subsiste senão por nós. Somente um mal?-entendido pode nos opor como inimigos e assim induzir-nos um a combater a existência do outro?, existência do outro com a qual cada um mantém a sua e a perde.

Esse todo que abrange a ambos é o mundo como representação, ou a aparência?. Feita a sua exclusão permanece apenas o puramente metafísico, a coisa? em si, que reconheceremos no segundo livro como a vontade?.


Ver online : O mundo como vontade e como representação. Segundo Tomo.


[1“Ferro-madeira”: neologismo, a partir de duas palavras gregas, para indicar uma contradição nos termos. (N. T.)