Página inicial > Antiguidade > Hermetismo

Hermetismo

      

No primeiro dos quatro grandes volumes em que o Rev. P.e Festugière publicou La Révélation d’Hermes   Trismégiste [Vol. I, 1944 (2.a ed. 1950); vol. IV, 1954], e nas páginas que dedica a «Hermetismo e Alquimia» [Vol. I, pp. 217-282], o notável estudioso da Antiguidade   surpreende as origens gregas da ciência que, dizem, ocupava o lugar   que veio a ser o da química, depois do século XVIII. O sábio dominicano translada os documentos, no original ou em tradução, com os mais valiosos subsídios   para esclarecimento de inúmeras dificuldades, e sobre a interpretação desenha um escorço histórico do qual o nítido contorno das linhas ainda é a menor das qualidades que o distinguem entre os melhores trabalhos científicos do nosso tempo  .

A alquimia nasceu no Ocidente, em época helenística. Foi primeiro uma arte, em seguida uma filosofia, por fim uma religião; a arte das tinturas, nos templos do Egito   faraônico, filosofia das transmutações nas escolas dos filósofos alexandrinos, religião agnóstica ou hermética nas seitas de religiões sincretistas que submergiram o mundo greco-romano, nos últimos séculos da Antiguidade. No segundo estágio deste desenvolvimento, reconhecemos nos textos «um dos grandes princípios da filosofia grega: a unidade   da matéria-prima e a explicação de toda a mudança  , com passagem de uma qualidade   a outra, sendo as duas qualidades extremas (no princípio e no fim da evolução) e todas as intermediárias igualmente suportadas pelo mesmo substrato material, o hypokeimenon  . Esta doutrina parece constante, desde os pré-socráticos até ao Estagirita» [Op. cit., p. 234]. Não admira, portanto, que nos tradicionais alistamentos dos grandes alquimistas se inscrevam de início, ora o nome de Hermes, ora os de Platão e Aristóteles. A «técnica» das tinturas não passaria à «ciência» das mutações sem adotar os princípios de todo o humano saber. Mas quando abordamos os escritos de Zósimo, «temos a impressão   de haver entrado num santuário, de aceder a uma religião esotérica, repleta de símbolos de reconhecimento, de crenças fantásticas, de ritos estranhos. Os segredos da alquimia são revelados no decurso de visões [...] As operações alquímicas são uma espécie de sacrifícios, de cerimônias de mistérios que não se celebram senão após iniciação. Estes ritos, por sua vez, fundam-se em uma doutrina e exigem preparação espiritual. A doutrina, em particular, o mito   do ‘Homem   Primeiro’, o Anthropos, emana certamente de meios agnósticos e lembra as doutrinas do ‘Corpus Hermeticum  ’» [p. 260]. E para terminar: «a alquimia é um caminho de vida, que supõe um trabalho   interior   de perfeição. O hermetismo ocultista e o hermetismo filosófico, artes separados, acabaram por celebrar uma aliança. Doravante, pelo menos entre os árabes, ela jamais sofrerá rotura» [p. 282]. [DE SOUSA, Eudoro. Dioniso   em Creta   e Outros Ensaios. Lisboa: INCM, 2004, p. 191-192]

VIDE: