Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > Sefer ha-Bahir / Séfer ha-Bahir / Bahir / Livro da Claridade

Sefer ha-Bahir / Séfer ha-Bahir / Bahir / Livro da Claridade

      

Harold Bloom

O "Livro Bahir" (bahir quer dizer "luminoso") foi traduzido por Scholem   para o alemão; outro serviço por ele prestado, já que é um livro incoerente e cuja mistura de hebraico   erudito e aramaico vernáculo torna-o difícil mesmo para especialistas. Ainda que fragmentário, o Bahir é um livro de algum valor   literário e verdadeiramente inaugura o estilo cabalístico marcado pela parábola e pelo uso da linguagem figurada. Sua mais importante representação é certamente a das Sefirot  , os atributos de Deus   que emanam de um centro   infinito   em direção a todas as circunferências finitas possíveis. Se no Séfer Yetziráh as Sefirot eram apenas os dez   números primordiais, uma noção neopitagórica, no Bahir elas são princípios e poderes divinos, e também luzes celestes, que participam na obra da criação. Mas isto ainda não era mais do que um passo em direção à verdadeira emergência da Cabala  , que ocorreu no século XIII, no sul   da França e seguiu em frente, atravessando fronteiras, até se estabelecer entre os judeus   da Espanha, processo este que culminou com a obra-prima ou "Bíblia da Cabala", o Séfer ha-Zohar  . (Cabala e Crítica)

C. del Tilo

La fecha de su composición es incierta; posiblemente, según el profesor Gershom Scholem, fue obra de los Cabalistas del Languedoc en el siglo XII, a partir de diversas fuentes judias mucho más antiguas. Se presenta bajo la forma de un Midrash, es decir en sentencias o breves exposiciones sobre versículos de la Escritura, redactadas en hebreo. [Excertos de LA PUERTA