Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > CorbinCSTC / Corpo espiritual e terra celeste / Corps spirituel et Terre (...)

CorbinCSTC / Corpo espiritual e terra celeste / Corps spirituel et Terre céleste

    

CORBIN  , Henry. Corps spirituel et Terre céleste  . Paris: Buchet/Chastel, 1979


Corbin demonstra neste livro a existência   de uma via conduzindo, por um tema preciso, do Irã mazdeano ao Irã islâmico. O método do autor, atento às intensões e às estruturas, é essencialmente fenomenológica, progredir de um nível de significação a um outro. Em uma primeira parte, a obra começa por esboçar a Imago Terrae mazdeana: a geografia mítica e a geografia visionária (Geografia Sagrada), a Luz   de Glória   (a Xvarah) e os Anjos   da Terra  , os herois escatológicos e a Transfiguração da Terra. A obra de Sohravardi   que, no século XII, se propôs em sua «Teosofia Oriental» a restaurar a sabedoria   da antiga Pérsia, e onde reaparecem todos os nomes das hierofanias mazdeanas, notadamente aquele de Spenta Armaiti, o anjo feminino   da Terra, elabora a articulação com o Irã xiita e os pensadores da Escola de Ispahan, no século XVI, até pouco ignorados no Ocidente. A Terra celeste de Hurqalya, a figura de Fátima a Brilhante, o personagem do Imã oculto, homólogo do Saoshyant zoroastriano, a fisiologia mística do «corpo de ressurreição  » desenvolvida em termos de simbolismo alquímico, tantas páginas que revelam aspectos desconhecidos da gnose xiita. Na segunda parte do livro o autor reúne uma rica coleção   de textos traduzidos pela primeira vez do árabe e do persa, se escalonando desde o século XII até os mestres da escola shykhie, quer dizer até nossos dias.

Prelúdio à Segunda Edição (excertos)

Recapitulemos, para guiar   o leitor, as intenções e os grandes temas deste livro. Trata-se de penetrar neste universo   místico   que designam nossos autores, expressões tais como «oitavo clima» (em relação aos sete climas do mundo terrestre), ou «Mundo das cidades místicas de Jabalqa, Jabarsa e Hurqalya», etc. Para situar este universo, o meio mais direto é talvez situar o vazio   que marca   sua ausência  .