Página inicial > Palavras-chave > Personagens > selene / σελήνη / lua / lune / moon / luna / Esfera da Lua / Esfera Sublunar / (...)

selene / σελήνη / lua / lune / moon / luna / Esfera da Lua / Esfera Sublunar / fases lunares

    

René Guénon

Para emplear el lenguaje de los filósofos griegos, se podría decir que [aquele que cumpriu o deva-yana  ] va a escapar   a la «generación» ( genesis   ) y a la «corrupción» ( phthora   ), términos que son sinónimos de «nacimiento» y de «muerte  » cuando estas últimas palabras se aplican a todos los estados de manifestación   individual; y, por lo que hemos dicho de la Esfera   de la Luna y de su significación, se puede comprender también lo que querían decir estos mismos filósofos, concretamente Aristóteles, cuando enseñaban que solo el mundo sublunar está sometido a la «generación» y a la «corrupción»: en efecto, este mundo sublunar representa en realidad la «corriente de las formas» de la tradición   extremo oriental, y los Cielos, que son los estados informales, son necesariamente incorruptibles, es decir, que ya no hay disolución o desintegración posible para el ser   que ha alcanzado esos estados. [GuenonHDV  :21]


Este periodo creciente de la lunación se llama purva-paksha, «primera parte», y el periodo decreciente uttara-paksha, «última parte» del mes. — Estas expresiones purva-paksha y uttara-paksha tienen también otra acepción completamente diferente: en una discusión, designan respectivamente una objeción y su refutación. [GuenonHDV]

Pierre Gordon

Um fator no equívoco   da noção   de «eterno retorno» foram as concepções se associando à Mãe   Divina sob sua forma lunar. Já se observa sua importância quando se tem em mente   o significado do número   14. A Lua, nas fácies culturais permanecidas próximas do matriarcado, foi reverenciada a um ponto que não imaginamos. Ela foi o tipo da personalidade transcendente que morria e renascia. Como ela passava três dias nas trevas, antes quase crescente (a lua jovem, ou ascendente) não reaparecesse, isto se tornou um dos grandes conceitos iniciáticos; e, quando reduzia-se a duração da estadia no mundo subterrâneo ou nos «Infernos », fixava-se, em muitos lugares, no número de três noites, para se conformar ao apagar do astro   noturno. A filho benéfico  , ou primogênito, da Lua, levava em seguida catorze dias a crescer (Lua Crescente). Depois da Lua cheia do décimo quinto dia (na qual a Mãe mostrava sua face  ), intervinha a paixão, ou dito de outro modo o desmembramento progressivo; em outros lugares, falava-se de um segundo filho celeste, a Lua Nova - Lua obscura, ou descendente. E o ciclo recomeçava sem fim. Esta personalidade transcendente, que presidia ao cosmos, sendo visualizada como modelando as coisas graça   a seu mana, não é nada surpreendente que as noções admitidas pouco a pouco sob a influência de práticas iniciáticas se agarrassem a ela nos grupos sociais de preponderância matriarcal.

A Lua não era uma personalidade longínqua. Era uma forma transcendente (mais tarde um homem   sobrenatural) que intervinha ativamente nas iniciações, seja como Grande Caçadora, seja como Digestora divinizante, seja, mais raramente, como Liberadora. É seu papel humano como caçadora e digestora, dito de outro modo seu emprego atormentador, que dela fez, ao longo do tempo, em muitos povos, uma personalidade nefasta. Ela se tornou o «mau olho do céu», o príncipe do mal, a peste, a ruína; ela passou mesmo por antropófaga. [IMAGEM DO MUNDO NA ANTIGUIDADE  ]

René Alleau

Convém notar que a Lua, em egípcio «Ken», a «dama do céu», o «olho de Toum», corresponde a «ken» em copto, o «cteis» e à imagem mesma do «cone», forma divina por excelência. Ora este cone, atributo de Vênus e dos Cabiros, enquanto figura geométrica, engendra por uma seção oblíqua ao eixo   uma elipse ou uma oval, e se torna então uma atributo fálico solar, tão bem que assinala, de fato, o hermafroditismo. [ASPECTS DE L’ALCHIMIE TRADITIONNELLE]