Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > Tratado 47 Traité 47 Tractate 47 Enéada III,2 Enéada III, 2 Ennead III,2 (...)

Tratado 47
Traité 47
Tractate 47
Enéada III,2
Enéada III, 2
Ennead III,2
Ennead III, 2
Ennéades III,2
Ennéades III, 2
III, 2
III,2

PLOTINO   - TRATADO 47 (III, 2) - DA PROVIDÊNCIA (I)

Formava um único tratado juntamente com o Tratado 48   abordando o tema clássico da providência. Plotino   trata da providência nos tratados: Tratado 27  , Tratado 28   e Tratado 39  . Os adversários de Plotino   são os epicuristas, os peripatéticos e os gnósticos. Os primeiros negam a providência, pois os deuses não interferem em nosso mundo. Os segundos, acreditam que a providência não se estende além da esfera lunar, quer dizer que ela governa o céu, mas não a região sublunar. Os gnósticos limitam o campo da atividade da providência, pois esta só se aplica aos eleitos gnósticos, aos adeptos da gnose, e não aos homens comuns. [Brisson  ]


  • Cap. 1, 1-15: Introdução: existe uma providência que governa o universo.
  • Cap. 1, 15 ao cap. 5: A natureza do universo e aquela da providência
    • Parágrafos 15-45: A providência consiste para o universo a existir conforme ao Intelecto, que é o mundo verdadeiro e primeiro, imóvel e perfeito.
  • Cap. 2: O universo é uma imagem inferior do Intelecto, uma mistura de matéria e de razão, onde reina uma única harmonia apesar da guerra que se lançam as partes.
  • Cap. 3: Não é preciso culpar o universo, pois ele é belo e autárcico.
  • Cap. 4-5: Não é preciso se surpreender que a vida daqui seja movimento e desordem; os males existirão sempre e têm uma função no universo; nada, de toda maneira, escapa à lei, às provações e às retribuições do universo.
  • Cap. 6-14: Primeira objeção e sua solução
    • Cap. 6: Posto que existe injustiças, o universo depende do Intelecto e ele é bem constituído?
    • Cap. 7: Não se deve culpar nem o universo nem a providência
      • Cap. 7, 1-15: A perfeição do universo não iguala aquela do Intelecto
      • Cap. 7, 15-28: As almas são responsáveis dos males que causam
      • Cap. 7, 29-43: A providência se estende por toda parte e não deve-se culpar seu produto
    • Cap. 8: O universo é bem constituído
      • Cap. 8, 1-7: As partes do universo não têm todas o mesmo valor.
      • Cap. 8, 7-16: Os homens cometem o mal, pois têm um nível intermediário
      • Cap.8, 16-52: Cada um tem o que merece
    • Cap. 9: A providência não dirige tudo e os vivos daqui não existem em vão
    • Cap. 10: O homem é responsável de seus atos, não sendo submetido a uma necessidade extrínseca ou a influência dos astros
    • Cap. 11: As razões produzem tudo, mesmo os males, pois tudo não tem ser igual no universo e tudo aí está bem disposto.
    • Cap. 12: A razão tem partes diferentes e o que produz é belo; ela designa às almas o lugar que merecem
    • Cap. 13: A justiça do universo se manifesta através do ciclo das vidas; a ordem do universo se estende até às mais pequenas coisas
    • Cap. 14: A ordem do universo deriva do Intelecto; os vivos daqui são tão perfeitos quanto possível.
    • Cap. 15: Segunda objeção e sua solução
      • Cap. 15, 1-17: Se tudo é conforme à rezão, porque os vivos se fazem a guerra?
      • Cap. 15, 17-33: Esta guerra é necessária à perpetuação da vida
      • Cap. 15, 33-62: Esta guerra não é senão um jogo afetando o homem exterior.
  • Cap. 16-17, 11: Terceira objeção e sua solução
    • Cap. 16, 1-10: Se tudo está bem disposto, como poderia haver males?
    • Cap. 16, 10-28: A razão é um produto do Intelecto e da Alma, ela dirige a vida.
    • Cap. 16, 28-58: Sendo menos uma que o Intelecto e a Alma, ela contem contrários
    • Cap. 17, 1-11: O mundo é múltiplo e contem contrários, bons e maus.
  • Cap. 17, 11 ao cap. 18,26: Quarta objeção e sua solução
    • Cap. 17, 12-16: Haveria ainda maldosos; se sim, eles o seriam neles mesmos?
    • Cap. 17, 16-34: As almas são como atores que desempenham bem ou mal seu papel
    • Cap. 17, 35-59: Elas não recebem um papel ao acaso e o desempenham como podem.
    • Cap. 17, 59-89: Boas ou más, elas se harmonizam à razão universal
    • Cap. 18, 1-5: As almas não são todas iguais
    • Cap. 18: 5-18: Elas seguem o papel designado pela razão, que fixa as consequências
    • Cap. 18, 18-26: As más ações, como as boas, fazem parte da razão
    • Cap. 18, 26: Quinta objeção e sua solução
  • Cap. 18, 26-29: Porque a razão faria o mal? Todas as almas são partes da razão? Todas as almas são razões?