Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > Enéada V, 1 Enéada V, 1 (10)

Enéada V, 1
Enéada V, 1 (10)

      

PLOTINO   - TRATADO 10 (V, 1) - SOBRE AS TRÊS HIPÓSTASES QUE TÊM NÍVEL DE PRINCÍPIOS

Segundo a ordem   cronológica apresentada por Porfírio  , o Tratado 10 segue imediatamente o Tratado 9, do qual entende continuar o exame  . Com efeito se o Uno   é a realidade maravilhosa e toda-poderosa que descreveu o Tratado-9, e que a Alma   dele provém, porque esta última se afastou de tal fonte? E, assim se afastando de seu princípio para alcançar até o sensível  , como se dá que ela aí permaneça? Estas questões dão e este tratado 10 seu ponto de partida: Plotino se propõe de aí explicar como toda realidade, se separando de seu genitor, "dobra-se" e contribui a uma progressiva degradação do real. Plotino encontra assim uma questão mais geral, aquela que é relativa à maneira pela qual o Uno, o primeiro princípio de todas as coisas, engendra as realidade que vêm depois deles em favor de uma descida onde cada realidade é produzida por aquela que a precede e produz por sua vez a que a segue. A fim de resolver o conjunto   das dificuldades associadas a estas questões, Plotino clarifica aqui a natureza das relações que entretêm o Uno, o Intelecto   e Alma, as três realidades ou princípios que o título destes tratado, escolhido por Porfírio, designa como "hipóstases". [Brisson  ]


Capítulo 1: A alma deve se conhecer a si mesma para reencontrar "o deus   que é seu pai  "
  • 1-3. Porque a alma esqueceu sua origem e sua fonte divinas?
  • 3-22. Em virtude de   sua independência ontológica, a alma se lançou no sensível, se afastando assim de seu princípio; assim fazendo, ela esqueceu sua natureza, para apreciar em revanche as realidades que lhe são inferiores.
  • 22-35. É preciso dois   discursos que ensinem à alma quais são sua natureza e sua origem, para que ela possa empreender a busca do princípio que a engendrou.

Capítulo 2: A natureza da Alma do Mundo   ( [1]) e sua atividade  

  • 1-9. A alma é a fonte   da vida e do movimento   de todas as coisas
  • 10-27. de que maneira a alma provê a vida a todas as coisas?
  • 27-42. A alma cerca o mundo inteiro e o anima estando presente   em tudo ao mesmo tempo; ela introduz em todos os seres vivos um elemento   divino.
  • 42-51. A alma individual é "do mesmo gênero  " que a alma do mundo, eis porque toda alma é mais digna de honra   que tudo aquilo que é corporal.

Capítulo 3: O Intelecto engendra a Alma e lhe é ao mesmo tempo superior e anterior  

  • 1-12. A Alma é uma imagem do Intelecto que a engendrou, como o discurso "pronunciado" é uma imagem "expressada" do discurso "interior".
  • 12-20. A Alma recebe sua capacidade de raciocinar do Intelecto, e ela é em ato quando dispõe seu olhar sobre as coisas que o Intelecto compreende nele mesmo, as formas inteligíveis.
  • 20-25. A Alma é como uma matéria inteligível e o Intelecto é como a forma que informa, eis porque o Intelecto é superior à Alma.

Capítulo 4: O Intelecto e as realidades inteligíveis nada mais são que "pensar" e "ser"

  • 1-10. O Intelecto é o modelo do mundo sensível; ele compreende nele mesmo todas as realidades inteligíveis.
  • 10-25. O Intelecto e as realidades inteligíveis são eternas, imóveis e imutáveis, pois não buscam modificar seu estado   de felicidade   absoluta. O Intelecto só faz pensar esta realidades que possui nele mesmo, sendo portanto sempre em ato; é todas as coisas juntas na eternidade  , enquanto ao nível da Alma todas as coisas estão dispersadas, particulares e submetidas ao tempo.
  • 26-33. O Intelecto e o mundo inteligível são pensamento e ser ao mesmo tempo; a causa   destas realidades deve ser buscada além delas.
  • 33-43. Os termos "primeiros", que compõem a estrutura   fundamental do mundo inteligível, são o Intelecto, e logo o ser  , a identidade   e a diferença  , o repouso e o movimento; deve-se, em seguida, aí aditar a quantidade, o número   e a qualidade  .

Capítulo 5: Quem engendrou o Intelecto e as realidades inteligíveis?

  • 1-6. Sendo múltiplo, o Intelecto não pode ser o primeiro princípio, toda a unidade   e a simplicidade devem ser absolutas. É portanto o Uno que produz o Intelecto e o ser, a multiplicidade e o número.
  • 6-9. O número inteligível provém da ação do Uno, que produz e determina a díade indeterminada.
  • 10-19. Assim como ele produz e determina a díade indeterminada, fazendo assim surgir   nela o número inteligível, do mesmo modo o Uno produz e "informa" o Intelecto, fazendo assim surgir nele as formas inteligíveis que são seus pensamentos.

Capítulo 6: Como o Intelecto foi engendrado pelo Uno?

  • 1-8. A Alma quer compreender porque o Uno não ficou nele mesmo e como produziu a multiplicidade.
  • 8-17. O Uno é imóvel nele mesmo como uma divindade em um santuário.
  • 17-22. Tudo o que ele produz não está no tempo, mas na eternidade..
  • 22-27. Tudo aquilo que nasce do Uno provém dele sem que ele o queira e sem que ele seja movido.
  • 27-37. O Uno produz as coisas que vêm depois dele sem ser diminuído, como o sol   produz a luz  .
  • 37-44. Todas as coisas, que chegam à maturidade, engendram. O Uno, que é sempre perfeito, engendra sempre realidades eternas que, como o Intelecto, lhe são no entanto inferiores.
  • 45-53. O Intelecto engendra a Alma que lhe é inferior  . Toda a realidade engendrada tem necessidade   do princípio que a engendrou e deseja se unir a ele.

Capítulo 7: O Intelecto é uma imagem divisível do Uno indivisível?

  • 1-5 O Intelecto se assemelha ao Uno que o engendrou, mas o Uno não se assemelha a ele.
  • 5-23. O Uno engendra o Intelecto, mesmo se permanece absolutamente diferente dele, pois é ’potência de todas as coisas". Por sua potência ilimitada e porque é ele mesmo desprovido de forma, o Uno pode produzir e "informar  " o Intelecto e todas as coisas; em participando da potência do uno, o Intelecto é "tornado perfeito".
  • 23-36. Todas as coisas existentes adquirem sua forma e sua determinação em virtude do Uno. O Intelecto contém as realidades inteligíveis nele mesmo, assim como Kronos  , segundo o mito  , "engolia" seus filhos depois de tê-los engendrados.
  • 36-49. Um vez engendrado e tornado perfeito pelo Uno, o Intelecto engendra a Alma que dele depende e que dele é "informada". A Alma é a última das realidades divinas.

Capítulo 8: Exame   dos filósofos anteriores: Platão   e Parmênides   de Eleia.

  • 1-10. Platão já tinha compreendido que existem três níveis da realidade correspondendo ao Uno, ao Intelecto e à Alma.
  • 10-14. As teses expostas por Plotino só são interpretações das doutrinas filosóficas anteriores, e antes de tudo dos escritos de Platão.
  • 14-23. Parmênides de Eleia ( [2]) dispôs a unidade do pensamento e do ser, mas não chegou ao Uno no sentido próprio.
  • 23-27. O "Parmênides de Platão" ( [3]) distingue em revanche entre o "Uno" em sentido próprio, o primeiro princípio, o "um-muitos" que admite nele mesmo a multiplicidade, o Intelecto, e o "um e muitos" que é a Alma.

Capítulo 9: Exame dos filósofos anteriores: Anaxágoras  , Heráclito  , Empédocles  , Aristóteles   e os pitagóricos

  • 1-7. Anaxágoras, Heráclito e Empédocles distinguiram o mundo sensível da realidade inteligível, sem todavia chegar a apreender a unidade absoluta do primeiro princípio.
  • 7-27. Aristóteles reconheceu a superioridade   do intelecto divino que compreende nele mesmo os inteligíveis, mas dispôs este intelecto como o primeiro princípio, enquanto de fato esta realidade múltipla não é uma unidade absolutamente simples.
  • 28-32. Com Platão, os pitagóricos são os únicos filósofos antigos que apreenderam a natureza suprema do Uno.

Capítulo 10: Toda alma individual guarda nela mesma uma imagem das três hipóstases

  • 1-10. O Uno, o Intelecto e a Alma se encontram não somente na realidade, mas também "em nós", na nossa alma.
  • 10-21. A faculdade racional de nossa alma permanece sempre no mundo inteligível, mesmo quando o "resto" da alma desce ao corpo. Eis porque ela é "em si", "no exterior" do corpo.
  • 21-31. É preciso que a alma em seu conjunto se separe do corpo em eliminando toda "inclinação" para os sensíveis, para poder ascender inteira no mundo inteligível de onde provém.

Capítulo 11: A alma individual tem nela mesma o Intelecto e o Uno

  • 1-8. A alma tem nela mesma o Intelecto que possui as formas, e em virtude do intelecto que ela pode "raciocinar". Se o Intelecto está presente na alma, é preciso que ele aí tenha também o princípio e a causa do Intelecto, o Uno.
  • 8-15. O Uno também está presente na alma: pode-se perceber e alcançar o primeiro princípio.

Capítulo 12: Se nossa alma possui "coisas tão grandes", porque permanece frequentemente inerte e inativa?

  • 1-10. As realidades de "lá em cima" são sempre ativas e puras, enquanto que nossa alma, que é composta de várias faculdades  , deve se servir logo de sua faculdade sensível. Logo nós só podemos conhecer quando a sensação é levada ao ato por um objeto que a "atravessa".
  • 10-21. A faculdade sensível deve consagrar sua atenção àquilo que se encontra "no interior" da alma ela mesma, e negligenciar os "ruídos sensíveis" que vêm do exterior para se consagrar à escuta dos sons "interiores" que provêm de "lá em cima".

[1nid:1019

[2nid:2965

[3nid:617