Página inicial > Palavras-chave > Termos > kalon / καλόν / καλή / kale / κάλλος / kallos / καλός / kalos / καλλιγραφία / (...)

kalon / καλόν / καλή / kale / κάλλος / kallos / καλός / kalos / καλλιγραφία / kalligraphia / άσχημος / aschemos / αἰσχρός / deformado / feio / desgraçado / infame

      

gr. καλόν, kalón (tó) : beleza, belo; outra forma, gr. κάλλος, kallos. O conceito de beleza é importante tanto para o conhecimento do homem  , para os objetos de seu conhecimento como para ação e a condução da vida. gr. άσχημος, áschemos = feio, feiúra


Olivier Clément

Philokalia   = amor ao belo. Esta beleza divino-humana que Dionísio o Areopagita diz que ela "suscita toda comunhão". Mais prosaicamente portanto, na época que esta obra foi composta o nome significava também antologia ou florilégio. Com efeito a Philokalia é uma grande coletânea não de extratos mas de tratados integralmente transcritos e constituindo uma "escola mística da oração interior" (Prefácio de Nicodemos Hagiorita  ). Tratava-se de sugerir a ação e a contemplação cuja meta é descobrir o "reino de Deus   em vós mesmos, o tesouro   oculto no campo   do coração  ", alusão a parábola evangélica descrevendo um homem que, tendo encontrado um tesouro num campo, vende tudo o que possui para adquiri-lo. [Introdução, Philocalie]

Frithjof Schuon

É belo, não o que amamos e porque o amamos, senão aquilo que por seu valor   objetivo nos obriga a amá-lo.

A beleza, seja qual seja o uso que possa fazer dela o homem, pertence fundamentalmente a seu Criador, que por ela projeta na aparência algo de seu ser.

A percepção da beleza, que é uma adequação rigorosa e não uma ilusão subjetiva, implica essencialmente, por uma parte, uma satisfação da inteligência e por outra, um sentimento   ao mesmo tempo de segurança, de infinidade e de amor. De segurança: porque a beleza é unitiva e exclui, com uma sorte de evidência musical, as fissuras da dúvida e da inquietude; de infinidade: porque a beleza, por sua própria musicalidade, faz com que se fundem os endurecimentos e os limites e libera, assim, à alma   de suas estreitezas; de amor: porque a beleza chama ao amor, quer dizer, convida à união   e por tanto à extinção unitiva.

A beleza, e o amor à beleza, dão à alma a felicidade   à qual aspira por natureza. Se a alma quer ser feliz de modo permanente deve levar o belo em si mesma; pois bem, isto só pode fazê-lo realizando a virtude, que também poderíamos chamar a bondade ou a piedade  .

A função cósmica, e mais particularmente terrestre, da beleza é atualizar na criatura inteligente a lembrança das essências (ousia  ), e abrir assim a via até a noite luminosa da Essência una e infinita.

A beleza é um reflexo da beatitude divina; e como Deus   é verdade (aletheia  ), o reflexo de sua beatitude será esta mistura de felicidade e verdade que encontramos em toda beleza.

A beleza do sagrado   é um símbolo ou uma antecipação, e as vezes um meio, do gozo que só Deus procura. [Pérolas do Peregrino  ]

Paul Nothomb

No Relato dos seis dias, primeiro capítulo do Gênesis, a cada dia, ou seja por seis vezes, à medida que progride a obra de sua Criação, Deus constata que ela é "boa" ("kallon" na tradução da Septuaginta  ). E depois da criação do Homem, que ela é "muito boa". Assim este relato "evolucionista" não contém nenhuma negação nem nenhuma expressão restritiva: um "não" sequer, nem um "sem", nem um "se", nem um "mas". Tudo no mundo criado por Deus aí é declarado positivo.

A palavra hebraica TWB (pronunciada "tov") seis vezes repetida no relato quer dizer "bom" mas também "belo". A beleza caracteriza a criação divina. É até mesmo o que permite reconhecê-la. [NothombTC  ]