Página inicial > Palavras-chave > Escritores - Obras > Schelling

Schelling

    

FRIEDRICH WILHELM JOSEPH SCHELLING (1775-1854)

LÉXICO DE FILOSOFIA

SCHELLING EM HEIDEGGER

OBRA NA INTERNET: LIBRARY GENESIS


Julian Marías

Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling nasceu em 1775 e morreu em 1854. De uma singular precocidade em filosofia, publicou em 1795 sua obra Vom Ich als Prinzip der Philosofia; aos vinte anos possuía um sistema filosófico próprio. Em 1800, em plena juventude  , escreve seu System des transzendentalen Idealismus, talvez sua obra capital. Esta surpreendente maturidade de seu pensamento  , unida a sua longa vida de quase oitenta anos, fez com que a filosofia de Schelling sofresse ao longo do tempo variações fundamentais, podendo-se mesmo distinguir   nela quatro fases bem determinadas, que quase chegam a constituir quatro sistemas diferentes.

Schelling é o filósofo de maior influência na época romântica, e deixou sua marca   profunda na filosofia, na literatura, na arte e ainda na medicina   de seu tempo. Sua formação metafísica   procede diretamente de Kant   e de Fichte  , aos quais continua originalmente; sua obra é, ao mesmo tempo, um constante diálogo   com o pensamento hegeliano.

Não é possível entrar aqui no detalhe de complexa filosofia de Schelling, nem se a pode seguir passo a passo nos textos; por isso, limitei-me a escolher uma passagem especialmente representativa, na qual Schelling recolhe e desenvolve a grande ideia do eu como realidade ativa, consistente em fazer, diversa, portanto, do modo de ser das coisas; e onde, por sua vez, insiste energicamente na atitude idealista que havia de roubar tanta fecundidade a essa profunda intuição   metafísica. (Resumo feito por Julian Marías)

Ernst Benz

Segundo Ernst Benz   Schelling é mais reservado em seus livros sobre suas fontes e seus ancestrais espirituais, mas em suas cartas evidencia-se sua dívida com o misticismo   alemão e até indiano. Em uma carta a seu pai   em 1806, escreve que Franz von Baader   havia lhe pedido que obtivesse os escritos de seu compatriota Christoph Oetinger  , que se dirigiu a uma migo seu Pregizer, discípulo   Oetinger, para obtê-los. Pregizer escreve em uma carta que Oetinger e Jacob Boehme   eram assuntos maiores na conversa com Schelling.

Em geral a correspondência de Schelling denota claramente, segundo Ernst Benz, que havia uma troca ativa de literatura mística entre os líderes da filosofia idealística alemã. Schelling, em outra carta, por exemplo, se mostra empenhado em obter uma cópia dos escritos de Angelus Silesius  , através de seu amigo Schubert  , assim como demnada a este de tentar conseguir um antiga edição dos escritos de Tauler  , «não uma revisão moderna , mas a mais antiga edição possível, que fielmente mantenha todas as características particulares deste autor; pois estes escritos são tão importantes para o estudo de nossa língua como são para o misticismo, e são tão potentes pela riqueza   da expressão   literária como para o despertar   da mente  ».

Schelling via o misticismo indiano como uma confirmação essencial de sua própria admiração   pelo misticismo. Seu estudo «Philosophie de la mythologie» demonstra um conhecimento notável sobre as tradições espirituais da Índia.

Para Ernst Benz, uma nova interpretação   da história se expressa nos primeiros esboços da metafísica da história de Schelling — desenvolvida em System des transcendentalen Idealismus. Concluindo sua crítica das várias concepções de história, ele escreve: «Do precedente, a única verdadeira interpretação da história segue naturalmente. Tomada como um todo, a história é uma revelação contínua e progressiva do absoluto. Nunca somos capazes, então, de determinar o ponto preciso no curso da história onde a marca da Providência ou Deus   Ele mesmo se torna visível  , por assim falar. Pois Deus nunca é, se chamado a ser aquilo que manifesta a si mesmo   no mundo objetivo; se fosse, não seríamos; mas Ele não cessa de revelar-se a Si mesmo. Por sua história, o homem   fornece uma prova contínua da existência de Deus, mas uma prova que somente a história de sua totalidade pode trazer a termo».