Página inicial > Glossário > raciocínio

raciocínio

domingo 17 de outubro de 2021

Operação discursiva mediante a qual concluímos que uma ou várias proposições (premissas) implicam a verdade, a probabilidade, ou a falsidade de uma outra proposição (conclusão). [...]

Cada um dos momentos que compõem um raciocínio é, por certo, um todo indivisível, na medida em que se trata da apercepção de uma relação, quer dizer, de um juízo; mas, pois que esses momentos formam uma série, o conjunto é discursivo. [...]

Alguns autores reservam o nome de raciocínio a uma operação lógica rigorosamente concludente e opõem-na, por conseguinte, à inferência, simples encaminhamento do espírito sem valor probatório. [...] Mas esta especialização do termo é rara. É geralmente admitido que o raciocínio pode ser rigoroso e apodíctico (dedução) ou, pelo contrário, imperfeito e somente plausível (indução). (André Lalande   (philosophe), Vocabulaire Technique et Critique de la Philosophie, 7.a ed., 1956, pp. 887-888.)


Platão   distingue o raciocínio matemático dianoia, da compreensão do dialético (noesis), e Aristóteles   distingue raciocínio (logos) de uma espécie mais intuitiva de focalização de verdades (noûs), tanto de verdades universais como de definições de tipo natural, e em ética de tais verdades particulares.

No neoplatonismo, raciocínio (gr. logos, dianoia; lat. ratiocinatio, ratio) é um processo passo a passo, contrastado com a compreensão intuitiva, convencionalmente em conexão com este período traduzida "intelecto" (gr. noûs, lat. intellectus), que é por vezes a meta do raciocínio.

Os neoplatônicos distinguem o intelecto como uma hipóstase ou nível de realidade acima da Alma, onde a razão pertence ao nível da Alma. A razão discursiva da alma é descrita por Plotino   como sucessiva, e tomando tempo. de fato, tempo é a vida da alma.

Para Platão  , a razão não é só raciocinativa, mas tem seus próprios prazeres e desejos. Aristóteles   argumentativamente pensa diferente. Pode-se esperar que passo a passo o raciocínio envolveria o desejo de compreender, enquanto compreensão, não sofrendo perda, envolveria não aquele desejo, mas o prazer de compreensão. Isto é reconhecido por Damascius  , embora pleiteie que o prazer é devido ao desejo que precede. Mas isto ainda não estabelece se o desejo e o prazer deveriam ser pensados como incorporados dentro da razão e do intelecto ou como meramente acompanhando-os. Platão   tende a incorporá-los, visualizando a razão como não apenas pensamento, mas também gosto, desfrute e intenção em compreensão, e como estando disposto ou não, restringindo e prevenindo nos interesses do melhor, embora mais tarde na Leis   ele permita que as pessoas possam ser superlativamente racional (panu logistikoi) sem sabedoria amante, e no Filebo  , como Amber Carpenter lembra, ele pensa seria abaixo da dignidade dos deuses ganhar prazer de sua intelecção.

Aristóteles   acha suficiente a psicologia recebida com fins éticos, e deseja ecoar a ideia de Platão   que a razão nos convida ao bem. Mas em sua própria psicologia acredito ele objeta contra Platão   que desejo deveria ser visto como uma capacidade da alma distinta da razão. Ele ainda mais toma emprestado uma distinção comum entre razão e razão correta, e reconhece uma faculdade racional da esperteza (deinotes) que não implica amor da sabedoria, embora pense que a vida da compreensão filosófica, tal como Deus conduz, deve ser a mais aprazível.

Este tema teve junto aos Neoplatonistas problemas diferentes em reconhecer o aprazível da intelecção. [SorabjiPC1  :86-88]


LÉXICO: raciocínio e afins