Página inicial > Glossário > luz

luz

domingo 17 de outubro de 2021

    

gr. φως  , φῶς, φώς, phos = luz. O uso da metáfora da luz aparece na tradição   filosófica dos pré-socráticos   onde figura a inteligibilidade do ser. Mas é sobretudo Platão   que a explicita em assimilando a Ideia do Bem ao sol.


Passar da potência ao ato, ou seja, ao terminus ad quem, é sair da escuridão para a luz, é revelar o que está latente na alma  , pois «a alma possui os objetos, mas não em ato, depostos numa região obscura» (En. I, 2, 4, 22-23). «Para aclará-los e saber que os possui em si, é necessária uma luz que ilumine o que está impresso nela; é necessário que conforme o que nela está impresso com a realidade da qual é a impressão  » (En. I, 2, 4,21-25). Que luz é esta a iluminar a escuridão? «É a alma que de alguma maneira (hoion) os toca e ilumina com uma luz dela proveniente e os põe diante dos olhos» (En. IV, 6, 3, 16-18). «Dessarte, por assim dizer (toi hoion), os objetos saem do sono obscuro   e se tornam mais claros e passam da potência ao ato» (En. IV, 6, 3, 16). Empregando os termos hoion e toi hoion, Plotino   parece demonstrar   uma certa tergiversação naquilo que afirma. [Ullmann  ]
Light is not an accidental to something else, requiring therefore to be lodged in a base; nor is it a modification, demanding a base in which the modification occurs: if this were so, it would vanish when the object or substance disappeared; but it does not; it strikes onward; so, too [requiring neither air nor object] it would always have its movement. Enneads IV, 5, 6
This vision sees, by another light, the objects illuminated by the First Principle: setting itself among them, it sees veritably; declining towards the lower Nature, that upon which the light from above rests, it has less of that vision. Passing over the visible and looking to the medium   by which it sees, then it holds the Light and the source of Light. Enneads V, 5, 7
La lumière est par essence incorporelle, voir traité 29 (IV, 5), 6 et 7. Plotino - Tratado 1 (I,6) - Sobre o belo (estrutura)
De muitas maneiras   uma física   da viagem   dos corpos para a visão   seria impossível, como demandado por Alexandre, Galeno, Plotino e Philoponus  . Objeções paralelas foram levantadas por alguns comentadores (não todos) à luz sendo um corpo ou viajante. Mas estas objeções, embora paralelas, foram cooptadas separadamente, posto que à luz não foi normalmente dada a função de levar informação à vista. Para uma exceção parcial no caso da luz das estrelas, vide Philoponus. [SorabjiPC1  :53]
LÉXICO: luz; aclaração; iluminação; iluminismo; ilustração