Página inicial > Arte e Simbolismo > Cazotte Magia

Cazotte Magia

domingo 20 de março de 2022

    

UMA EVOCAÇÃO MÁGICA

Estávamos no maior silêncio  . Meu companheiro, com um caniço que lhe servia de apoio na caminhada, traça um círculo   em torno de si, na areia fina que cobria o terreno, e sai, após haver desenhado certos caracteres. "Entre, meu bom rapaz, neste pentáculo, disse-me, e só saia quanto ti­ver provas evidentes...

— Fale mais claro; devo sair quando tiver que provas?

— Quando tiver dominado todas as coisas; mas, antes disso, se o pavor o desorientasse, você poderia correr os maiores riscos."

Aí, deu-me uma fórmula curta de evocação, imperativa, com algumas palavras que jamais esquecerei.

"Recite, ordenou-me, este exorcismo com firmeza, e depois chame três vezes, claramente, Belzebu, e principalmente não esqueça o que prometeu fazer.

Lembrei-me de que me gabara como capaz de puxar- lhe as orelhas. "Vou manter a palavra  , disse-lhe,- sem que­rer que me contradissesse.

— Fazemos votos de que tenha muito êxito, declarou-me; quando acabar, avise-nos. Você está bem em frente da porta por onde sairá para nos encontrar." E se retiraram.

Nunca um fanfarrão se encontrou numa crise mais delicada: estive a ponto de chamá-los de volta; mas era muita vergonha   para mim; aliás, seria renunciar a todas as minhas esperanças. Finquei os pés onde estava, e pensei com meus botões. Quiseram apavorar-me, disse para mim mesmo; querem ver se sou   medroso. As pessoas que me estão pondo à prova se encontram a dois   passos daqui, e logo em seguida a minha evocação, tenho que ficar atento a alguma tentativa que farão para me apavorar. Vamos aguentar firme  ; vamos virar a gozação contra estes gozadores de mau gosto  .

Esta deliberação   foi bem rápida, embora um pouco perturbada pelo pio dos mochos e das corujas que moravam nas redondezas, e até no interior   de minha caverna  .

Um pouco mais calmo com minhas reflexões, reergo-me, resisto; com voz clara e firme, pronuncio a evocação; e, com voz mais forte ainda, por três vezes, e a intervalos muito curtos, invoco Belzebu.

Um calafrio correu nas minhas veias, e meu cabelo se arrepiou.

Mal eu acabara, abre-se, de par em par, diante de mim, uma janela, no alto da abóbada: uma torrente de luz mais deslumbrante que a do dia se precipita por aquela abertura; uma cabeça de camelo, horrível tanto pelo tamanho quanto pela forma, aparece na janela; principalmente as orelhas eram desmedidas. O odioso fantasma abre a goela, e, num tom em harmonia   com o resto da aparição, pergunta-me: Che vuoi?

Todas as abóbadas, todas as cavernas dos arredores retumbam com igual força do terrível Che vuoi?

Eu seria incapaz de descrever minha situação  ; inca­paz   de dizer quem me ajudou a ter ainda coragem  , e me impediu de desfalecer diante de semelhante quadro, com aquele barulho ainda mais apavorante que ecoava em meus ouvidos.

Vi que precisava recuperar as forças; um suor frio   ia dissipá-las: tratei de conter-me. Nossa alma   tem que ser muito vasta e que possuir prodigiosa energia; uma verda­deira multidão de sentimentos, ideias e reflexões tocam meu coração  , passam pelo meu espírito  , e deixam sua marca   todos ao mesmo tempo  .

A revolução se opera, eu consigo dominar o meu ter­ror. E fixo ousadamente o espectro.

"O que é que estás querendo, audacioso, surgindo sob esta forma horrenda?"

O fantasma hesita um momento:

"Tu me chamaste, diz ele num tom de voz mais sur­do...

— Por acaso o escravo   tenta apavorar o seu dono?, pergunto-lhe. Se vens receber   minhas ordens, assume forma adequada e tom submisso.

— Senhor, retorna o fantasma, sob que forma devo apresentar-me para vos ser agradável?"

Como a primeira ideia que me veio à cabeça foi a de um cachorro, ordenei: "Vem com o aspecto de um cão cocker spaniel." Mal eu acabara de dar a ordem, o pavoro­so camelo aumenta dezesseis palmos no pescoço, baixa a cabeça até o meio do salão, e vomita um cão branco de pelo sedoso e brilhante, com as orelhas caindo até o chão.

A janela voltou a fechar-se, tudo mais desapareceu, e, sob a abóbada, suficientemente iluminada, só ficamos nós  , o cachorro e eu.