Página inicial > Oriente > Renz (F) – medo da existência

Renz (F) – medo da existência

sexta-feira 9 de setembro de 2022

    

[1:00:27]

Karl: Por conta do medo controlas. Controlas por medo. Há um medo existencial imediatamente no momento que experiencias a ti mesmo como existência.

Q: O que fazer?

K: Não sei. Nada! Esta é a natureza do fantasma. É a dúvida do fantasma: sou   ou não sou, e o que tenho que fazer para sobreviver. Então desde aí ele quer saber o que ele é, quem ele é... Toda esta tentativa de se conhecer a si mesmo   vem do medo. Queres conhecer a ti mesmo porque tens medo. Quando não conheces a ti mesmo, algo pode acontecer que não gostes. Sempre queres te prevenir de algo que não gostas, ou algo desconhecido  . O medo do desconhecido é o mesmo, queres fazer do desconhecido o conhecido. Não conheces Deus   então queres conhecer Deus, isto vem do medo. Só te comportas porque temes a Deus. Temes ser punido pelo que talvez fizestes de errado, contra Suas regras.

Teu desejo de controle vem do medo da existência. O medo é primeiro, então vem o desejo de controle. Queres até controlar o medo. Pensas que quando conhece-te a ti mesmo   podes controlar o medo. A ideia de Deus vem do medo. Do medo vem a ideia de Deus como o Salvador  . Então crias um Deus que talvez possa te salvar, pois temes a existência  , queres te sentir seguro. Queres controlar tua vida e precisas de uma ajuda   de um cara maior.

Q: A ausência   e a presença são um só?

Karl: Se dizes que são Um, há Um demais. Ausência e presença não são diferentes em natureza. A luz   de Shiva   não é a natureza de Shiva, mas a luz não é diferente de Shiva. Mas a luz de Shiva não é a natureza de Shiva. Mas ainda assim a luz de Shiva não é diferente de Shiva.

Q: Então posso dizer que a luz emana de Shiva?

K: Não. Não podes dizer isto. Podes dizer, mas é estúpido. Nada vem de Shiva, caso contrário fazes de novo dois  . Algo vem de algo, e isto que vem é diferente de onde veio. Queres fazer diferença  , é um condicionamento que não podes evitar. Necessitas de diferenças porque sem diferenças não podes sobreviver como um russo, como um eu. Um «eu» precisa de diferenças. Não importa como defines a ti mesmo, pois para definir   precisas de diferenças. Defines para controlar.

Q: Então a ausência depende da presença?

K: Não há ausência sem presença, nem presença sem ausência. Elas vêm juntas em dupla. Onde há ausência, há presença; onde há presença há ausência. Como os budistas dizem: forma é vazio  ; vazio é forma. Ambas não são diferentes em natureza e uma não pode ser sem a outra.

Q: Então o buscador   quer estar na ausência, quer presença sem ter presença?

K: Ele quer ter o conforto da ausência, e não só temporariamente, mas permanentemente. Pois ausência é céu e presença é inferno. Ele sabe que na ausência não tem dor  , sofrimento, miséria  . Então quando tem a presença de um «eu», o buscador está desejoso da ausência deste «eu». Ou seja, o «eu» está buscando a ausência do «eu». Ele quer permanecer na ausência porque a ausência é mais confortável do que a presença. A ausência do «eu» é mais confortável que a presença do «eu». A experiência do impessoal é melhor do que a experiência do pessoal, então ele decide quero ser impessoal; quero ser um realizado que é consciência   impessoal e não pessoal. Melhor ser não identificado que identificado. Uma consciência não identificada é melhor que uma identificada. Eis o inferno: fazer esta diferença. Fazes-te dependente da ausência, que o seu chamado conforto e relaxamento é dependente da ausência de algum fantasma que é confortável ou não.

[1:08:33]


Ver online : KARL RENZ