Página inicial > Oriente > Coomaraswamy (PVB:40-42) – Anatta - não-ipseidade

Coomaraswamy (PVB:40-42) – Anatta - não-ipseidade

domingo 20 de março de 2022

      

É necessário proceder analiticamente, como se nos é explicado várias vezes a propósito da "não-Ipseidade  " (anatta) de todos os fenômenos. O que é necessário repudiar, é o que hoje chamar-se-ia de "animismo". O mecanismo psico-físico que reage não é um "Eu"; está desprovido (sunna) de toda propriedade de Ipseidade  . O ego, consciência ou existência "individual" (attasam-bhava) é um composto de cinco   fundamentos (dhatu) associados ou de cinco ramificações (khandha), a saber: o corpo visível (rupa  , kaya), a sensação   invisível (vedana, agradável, desagradável ou neutra); o reconhecimento ou consciência (sanna); as construções, isto é, o caráter (samkhara) [1]; enfim a discriminação, o discernimento  , o julgamento, a apreciação (vinnana) [2]: em resumo, é um composto do corpo e da consciência discernente (savinna-naka-kaya), é a existência psicofísica. Demonstra-se por todos estes fatores sua origem causal, sua variabilidade, seu caráter perecível; não são "nossos" uma vez que não podemos dizer "que sejam (ou: nós mesmos sejamos) assim ou assim" (Samyutta Nikaya III, 66-67): não podemos constatar o que eles "vêm a ser", o que nós "vimos a ser": somos apenas uma entidade biológica, movida por impulsos hereditários [3]. A demonstração termina sempre por estas palavras: "Aquilo não é meu, eu não sou   aquilo, aquilo não é a minha Ipseidade". Se disto vos libertais para sempre, se renunciais totalmente às noções do "eu sou Fulano", "eu sou o agente  ", "eu sou", será "vosso benefício e vossa felicidade  " (Samyutta Nikaya III, 34). Buda  , qualquer Ipseidade, são os "Nemo"; seria fútil perguntar seu nome.

Em outras palavras, toda coisa, toda individualidade é caracterizada pelo "nome e forma" (nama-rupa = de logos   kai he morphe  , Aristóteles  , Met. VIII, I, 6); o "nome" se aplica aos componentes invisíveis da individualidade; a "forma" ou "corpo" (pois rupa pode ser substituído por kaya) a seus componentes visíveis e sensíveis. O que significa que "o tempo e o espaço são as formas fundamentais de nossa compreensão de tudo o que se modifica; a forma (ou corpo) de toda a coisa está sujeita a desaparecer: seu nome permanece, e por seu some temos ainda uma ligação com ela. É devido a seus nomes", "a Lei", "a verdade" que o Desperto   sobrevive neste mundo, se bem que ele mesmo, igual ao rio que atinge o oceano, seja liberto do "nome e da forma": aquele que é "imerso nele" não mais faz parte de nenhuma categoria, não é mais isto ou aquilo, não está mais aqui ou lá (Suttanipata 1074).

Tudo isso não é particularmente budista; é a substância de uma filosofia mundial, para a qual a salvação consiste essencialmente em salvar o homem   de si mesmo. Deneget seipsum! Si quis... non odit animam suam, non potest meus discipulus esse!


Ver online : Ananda Coomaraswamy – Pensamento Vivo de Buda


[1Samkhara (synkritok, ountheioi): a palavra se aplica aqui as representações mentais, imaginações, noções, postulados, complexos, opiniões, preconceitos, convicções, ideologias, etc. Num sentido mais geral, samkhara denota tudo o que pode ser designado por uni nome ou percebido pelos sentidos, isto é, todo nama-rupa: todos os objetos inclusive nós mesmos.

[2Os cinco khanahas se assemelham muito às cinco "faculdades da alma" de Aristóteles (De An. II, III) e de Santo Tomás de Aquino (Sum. Theol. I, 78, I) a saber: vegetativa (nutritiva), sensível, apetitiva, intelectual, matriz (diagnóstica e crítica).

[3L. Paul, The Annihilation of Man, 1945, p. 156.