Página inicial > Medievo - Renascença > Isaac Sirio Tratados Misticos 11

Isaac Sirio Tratados Misticos 11

domingo 20 de março de 2022

    

Traduzidos para o inglês por A. J. Wensinck, publicada em 1923 (livro raro). Versão para o português de Izabel Carneiro.

TM10<=>TM12

XI ONDE A BELEZA DA VIDA SOLITÁRIA É PARA SER PRESERVADA E COMO PODE SER UMA CAUSA DE DEUS SER GLORIFICADO

É apropriado que o monos   - solitário seja, em todos os sentidos, uma visão   de incitamento (estímulo) aos que olharem para ele, de modo que, por causa   das belezas que irradiam dele por todos os lados - como os raios do sol   -, até mesmo os inimigos da verdade   reconheçam, contra a sua vontade, que os cristãos têm uma esperança   bem fundamentada; e de todos os lados, eles fluirão para o seu lugar de refúgio e, assim, o chefe da igreja   será elevado acima de seus inimigos.

Assim, a glória   dos feitos do solitário será um incentivo para muitos a retirarem-se do mundo. E (é apropriado) que ele seja reverenciado por todos por causa de   sua excelência  , de modo que a boca dos membros da igreja venha a abrir-se por sua conta e sua cabeça seja exaltada acima de todos os credos.

O orgulho   da igreja do Cristo   consiste no comportamento   dos monos - solitários. Por isso, é cada vez mais apropriado para o solitário que as belezas de seus bons hábitos brilhem em todos os lados; na humildade   - atitude humilde de seus membros, na simplicidade de sua roupa, em sua desapego   - elevação acima das coisas visíveis, na verdade - veracidade de sua renúncia, em seu jejum   rigoroso, em seu silêncio   permanente, na mestre de si - subjugação de seus sentidos, na continência do seu aspecto, em ele não ser raiva   - briguento com outras pessoas por qualquer motivo, na discurso - singeleza de seu discurso, em seu ira - ser desprovido de rancor, em sua consciente e irrestrita simplicidade. E (é adequado) que dele se saiba: que está alheio a esta vida nociva e fugaz e próximo da pneumático - vida verdadeira e espiritual; que está constantemente por si mesmo  ; que é desconhecido   entre os homens; que não está preso a qualquer um pelos laços de camaradagem e intimidade; de seu tranquilo lugar - lugar de moradia; do pequeno espaço de sua morada - habitação; de seus poucos e simples utensílios; de como evita os homens; de seu estar em constante oração  ; de como odeia e evita honrarias; da sua não vinculação à vida temporal; da sua grande paciência; da sua resistência às tentações; de como permanece afastado de rumores e inquirições sobre assuntos mundanos; de seu constante zelo   e meditação   sobre o seu verdadeiro pátria - país; que é conhecido por seu semblante penthos   - triste e seu rosto enrugado; de seu lágrimas - pranto constante noite   e dia; e, acima de tudo, de sua castidade   prudente e de como é desprovido de cobiça nas pequenas e grandes coisas.

Estas são, em suma, as belezas manifestas do monos - solitário, as quais atestam que ele está totalmente morto para o mundo e perto de Deus  .

É adequado que ele pense constantemente nessas coisas, a fim de adquiri-las.

Se alguém pergunta: Por que motivo essas longas descrições são necessárias? Eu respondo: elas são muito necessárias. Porque, se alguém procura por elas, uma por uma, em si mesmo, e se alguém que se importa com sua vida lhe falhar, ele poderá identificar, a partir dessas distinções, sua deficiência   em qualquer uma dessas virtudes. E, assim, podem essas descrições se tornar para ele admoestações. E se ele possuir pessoalmente todas as coisas descritas e também aquelas omitidas, o conhecimento delas lhe é dado (desta maneira) e, assim, ele tornar-se-á um motivo para que Deus seja louvado entre os homens e os anjos  . E, então, ele poderá preparar para sua alma   um lugar de descanso antes de deixar este mundo.


Ver online : Philokalia