Página inicial > Gnosticismo > Evangelho de Tomé - Logion 101

Evangelho de Tomé - Logion 101

domingo 20 de março de 2022

      

Pla

Jesus   disse: O que não odeie a seu pai   e a sua mãe como eu, não poderá ser meu discípulo; e o que não ame a seu pai e a sua mãe como eu, não poderá ser meu discípulo. Pois minha mãe me engendrou, mas minha mãe verdadeira me deu a vida. [Odiar tua alma e Discórdia]

Puech

101. < Jésus a dit > : Celui qui ne haïra pas son [père] et sa mère comme moi ne pourra pas devenir mon disciple. Et celui qui n’aimera [pas son père et] sa mère comme moi ne pourra pas devenir [mon disciple]. Car ma mère [ ] mais, [ma mère] véritable, elle m’a donné la Vie.

Suarez

1 Celui qui ne récuse son père et sa mère 2 comme moi 3 ne pourra devenir mon disciple, 4 et celui qui n’aime son Père et sa Mère 5 comme moi 6 ne pourra devenir mon disciple. 7 Car ma mère m’a engendré, 8 mais ma véritable Mère m’a donné la vie.

Meyer

101 (1) “Whoever does not hate [father] and mother as I do cannot be a [disciple] of me, (2) and whoever does [not] love [father and] mother as I do cannot be a [disciple of] me. (3) For my mother [gave me falsehood], [1] but my true [mother] [2] gave me life.” [Cf. Matthew   10:37–38 (Q); Luke 12:26–27 (Q); Gospel of Thomas 55]


Roberto Pla

O pai e a mãe a odiar   segundo Jesus são membros, os dois  , da família antropológica quinária que em distintos lugares testamentários se mencionam (Logion 16).

  • Cuidais vós que vim trazer paz   à terra  ? Não, eu vos digo, mas antes dissensão: pois daqui em diante estarão cinco   pessoas numa casa   divididas, três contra duas, e duas contra três; estarão divididos: pai contra filho, e filho contra pai; mãe contra filha, e filha contra mãe; sogra contra nora, e nora contra sogra. (Lc   12,51-53; Discórdia)

O chamado “pai” é tomado por pai sem sê-lo verdadeiramente, e faz as vezes em nossa consciência “natural  ”, pois aparece como o eu   psicológico individual e separativo, quer dizer, como um deus   criado e erigido por nossa ignorância, um deus falso que nos confina na insularidade e a que os homens adoram porque creem que é o si mesmo  .

Dado que seu reino é o da mentira   pois só por erro   é concebida sua existência como real, Jesus o chama o “Adversário” de Deus, o Satã, e se o chama o Adversário é porque o eu psicológico se opõe e substitui em nossa mente   ao Eu real e absoluto, idêntico ao ser e que Jesus tenta expressar quando diz Eu-Sou  .

Quanto à “mãe” que há que odiar, é a natureza hílica, engendradora do corpo segundo a carne  . Se diz que a identificação com os bens que esta “mãe” proporciona, e que não são tesouro   verdadeiro que há que guardar, impede que a alma   se purifique e com isso se fortaleça em seu desígnio de alcançar a justiça.

Todos esses são o motivo do ódio, quer dizer, da não identificação que Jesus predica.

A este “pai” que só existe como um fantasma criado pela imaginação  , e a esta “mãe engendradora de natureza mortal   e de sua quase invencível Corte do medo, se opõem, segundo se explica no logion, o Pai e a Mãe verdadeiros, os quais se não pertencem à família antropológica é porque são os progenitores do Homem  , quer dizer, são o Ser   e a Vida, cujos “revestimentos” são a Glória   (Luz e sabedoria   de Deus) e o poder (força, dynamis  , Vida), que acompanham ao Filho do homem   quando vem “entre nuvens” (vide Vinda).

Roberto Pla   desenvolve então uma análise sobre a Unidade   com o Pai mencionada por Jesus, na sua condição de Ungido  , concluindo com um exame   do simbolismo de certos elementos   do Batismo de Jesus.

Leloup

  • Importante amar   e odiar — "como Jesus" — seu pai e sua mãe, quer dizer amá-los por aquilo que são e não permanecer sob sua dependência  , que nos faria esquecer nosso segundo nascimento e a mãe que nos engendrou, não para morrer, mas para conhecer a vida verdadeira.
  • Sophia — a Sabedoria ou Mãe Divina — tem seu lugar nos textos gnósticos.
    • Nos Atos de Tomé (C.27, C.50), o Espírito é invocado sob o nome de Mãe.
    • No maniqueísmo, ela é chamada muitas vezes a Mãe da Vida ou dos Vivos.
    • No Evangelho de Felipe é dito que Adão   recebeu o sopro de sua mãe.

Gillabert

  • Variante: "Aquele que não recuse seu pai e sua mãe..."
  • Retomada do dito no Logion 55] e no Logion 99.
  • Passar de um parentesco carnal a um parentesco segundo o Espírito, e para isso transcender sua relação de dependência para com os pais  .
    • Para me reconhecer tal qual sou em realidade, deve estar claro o mundo tal qual o psíquico o concebe.
  • O discípulo de Jesus, o verdadeiro, o escolhido: a sua escuta, aprendeu a ser seu só e único Mestre.
    • Seu Pai e sua Mãe lhe permitiram se descobrir tal qual é em verdade.
    • Sua Mãe verdadeira lhe deu a Vida, não para que permaneça em estado   de dependência, mas para que, a seu exemplo, retorne ao Pai.

Puech

  • A tendência é particularmente clara a destacar a figura e a pessoa de Jesus de toda condição temporal ou sensível  , de todo compromisso com o devir — um devir que é tanto "gênese" quanto "geração", tanto genesis   quanto gennesis.
  • O dito é inteiramente fundado sobre o contraste radical que, se confundindo com aquele da Vida e da Morte, opõe entre eles a paternidade divina, a origem   celeste de Jesus e, por outro, lado, sua origem, sua paternidade humana e terrestre.
    • Esta última é renegada, pelo menos detestada e repudiada, posto que, conforme um lugar comum que resume um dos Extratos de Teodoto (80,1), "aquele que a mãe engendra é levado à morte e no mundo"; dito de outro modo, kosmos sendo sinônimo de thanatos como é de phthora  : Quem é posto no mundo ("jogado" no mundo), "o filho da Mulher" ou "das mulheres", é por isso mesmo prometido, necessariamente conduzido à morte, condenado a morrer.
    • A geração celeste ou espiritual é, ao contrário, vivificadora, procura a Vida, permite de aí aceder e de aí retornar, faz do Eleito aquele para quem ela é "regeneração", anagennesis — um "Vivente".
  • Nenhuma hesitação a respeito deste "Pai" e desta "Mãe" que Jesus tem, à exclusão de José e de Miriam - Maria, por seus pais "verdadeiros", os únicos que são dignos de seu amor.
    • O Pai só pode ser Deus, o "Deus Vivo" do qual "Aquele que não foi parido da mulher" se proclama a princípio o Filho e que denomina "seu Pai".
    • Quanto à Mãe, ela corresponde ao Espírito Santo, ao Espírito, ruah sendo feminino   em semita e a assimilação   frequente nos meios judaico  -cristãos.
      • O Evangelho dos Hebreus, citado por Orígenes e por Jerônimo, onde Jesus precisa: "minha Mãe, o Espírito Santo"
      • Os pneumáticos - Espirituais (monachos), segundo Aphraates escreve: "O homem, enquanto não se casa, ama e honra   Deus seu Pai e o Espírito Santo sua Mãe".
      • No Evangelho de Felipe: a Verdade, a aletheia  , assimilada à Mãe dos homens livres e impecáveis e o Conhecimento, a gnosis, a seu Pai.
  • Vide Logion 44; Logion 28

Ver online : Evangelho de Tomé


[1This restoration is tentative (entas[ti naei empc]ol). Another possibility: “For my mother, who has [given birth to me, has destroyed me]” (see the note in Aland, ed., Synopsis Quattuor Evangeliorum, 543). It may even be possible, though more difficult, to restore to read saying 101:3 as follows: “For my mother [gave birth to me], but my true [mother] gave life to me.”

[2Perhaps the holy Spirit; cf. Gospel of the Hebrews 3; Secret Book of James 6; Gospel of Philip 55.