Página inicial > Oriente > Nisargadatta (Eu Sou:24) – esquecer e lembrar

Nisargadatta (Eu Sou:24) – esquecer e lembrar

sexta-feira 9 de setembro de 2022

    

Luiz Jorge Saliba

P: Qual é a causa   do esquecimento   de si mesmo  ?

M: Não há causa nenhuma porque não há esquecimento. Os estados mentais se sucedem uns aos outros, e cada um apaga o anterior  . Lembrar de si mesmo é um estado   mental   e o esquecimento de si mesmo é outro. Alternam-se como o dia e a noite. A realidade está além de ambos.

P: Certamente, deve existir alguma diferença   entre esquecer e não saber. O não saber não necessita de causa. O esquecimento pressupõe um conhecimento prévio e também a tendência ou capacidade de esquecer. Admito que não posso investigar a razão do não saber, mas o esquecimento deve ter algum fundamento.

M: Não há tal coisa como não saber. Só há esquecimento. O que está errado em esquecer? Esquecer é tão simples quanto recordar.

P: Não é uma calamidade esquecer de si mesmo?

M: Tão mau como lembrar de si mesmo continuamente. Há um estado além do esquecimento e do não esquecimento - o estado natural. Lembrar, esquecer - são todos estados mentais, limitados pelo pensamento, limitados pela palavra. Tome, por exemplo, a ideia de ter nascido. Disseram que eu havia nascido. Eu não lembro. Dizem-me que devo morrer  . Não espero isto. Você me diz que esqueci, ou que me falta imaginação  . Mas eu simplesmente não posso lembrar do que nunca aconteceu, nem esperar o claramente impossível. Corpos nascem e corpos morrem, mas o que é isto para mim  ? Os corpos vão e vêm na consciência   e a própria consciência tem suas raízes em mim. Eu sou   a vida, e a mente   e o corpo são meus.

P: Você diz que na raiz do mundo está o esquecimento de si mesmo. Para esquecer, devo recordar. O que esqueci para lembrar? Eu não esqueci que Eu sou.

M: Este ‘eu sou’ também pode ser parte da ilusão  .

Original

Q: What is the cause of self-forgetting? — M: There is no cause, because there is no forgetting. Mental states succeed one another, and each obliterates the previous one. Self-remembering is a mental state and self-forgetting is another. They alternate like day and night. Reality is beyond both.

Q: Surely there must be a difference between forgetting and not knowing. Not knowing needs no cause. Forgetting presupposes previous knowledge and also the tendency or ability to forget. I admit I cannot enquire into the reason for not-knowing, but forgetting must have some ground. — M: There is no such thing as not-knowing. There is only forgetting. What is wrong with forgetting? It is as simple to forget as to remember.

Q: Is it not a calamity to forget oneself? — M: As bad as to remember oneself continuously. There is a state beyond forgetting and not-forgetting — the natural state. To remember, to forget — these are all states of mind, thoughtbound, word-bound. Take for example, the idea of being born. I am told I was born. I do not remember. I am told I shall die I do not expect it. You tell me I have forgotten, or I lack imagination. But I just cannot remember what never happened, nor expect the patently impossible. Bodies are born and bodies die, but what is it to me? Bodies come and go in consciousness and consciousness itself has its roots in me. I am life and mine are mind and body.

Q: You say at the root of the world is self-forgetfulness. To forget I must remember What did I forget to remember? I have not forgotten that I am. — M: This ‘I am’ too may be a part of the illusion.


Ver online : Nisargadatta Maharaj